terça-feira, 31 de julho de 2012

Alcalóides Dádiva do Reino Vegetal

Alcalóides Dádiva do Reino Vegetal

Os Alcalóides

São compostos de caráter básico que ocorrem naturalmente, sobretudo no Reino Vegetal. Esses compostos possuem origem biosintética, a paartir das vias do ácido chiquímico em combinação com diversos aminoácidos e apresentam enorme diversidade química, mas de difícil sistematização. Atuam sobre o sistema nervoso central como estimulante anestésico, sedativo e calmante.

São compostos de alta toxicidade quando usado em excesso, ou de maneira incorreta.

A denominação varia em função do ..., da planta(nome científico ou vulgar, ou por sua atividade terapêutica, ou grupos químicos).

Os Alcalóides podem ocorrer em qualquer parte do vegetal, como raiz(confrei).

Folhas maracujá, quebra-pedra ou cascas(romã).

Alcalóide ===> Planta ===> Comentários

Punica Romã (Punica Granatum L) Atua no sistema nervoso, dos parasita, paralizando os músculos, e facilitando a eliminação dos mesmos. Atua sobre as Tênias, e Ascárias.

Quinina Quina (Gênero Chinchona) Tratamento da Malária.

Punicina Boldo do Chile (Peumus Boldus) Ações digestivas.

Passiflora Maracujá (Passiflora spL) Utilizado como calmante

Antiespasmódico Pertubações da menopausa Insonia

Nicotina Fumo (Nicotiana Tabacum L) Fácil absorção pelas mucosas.

Atuam sobre o sistema nervoso. Exercendo ação depressora

Morfina Papoula (Papaver Somniferum) Analgésico

Pilocarpina Jaborandí (Pilocarpus Jaborandí) Usado na produção de colírio para glaucoma

Emetina Ipeca (Cephrelis Ipecacuanha) Potente amebicida

MARIA LOPES DE ANDRADE
PRESIDENTE DO INSTITUTO DE TERAPIAS ALTERNATIVAS MARIA LOPES
Membro da Ordem dos Jornalistas do Brasil, Curso de Jornalismo Assis
Chateaubriand em 1975-(Sociedade Educacional Austregésilo de Athayde)
Reg.CPJ 24.825 especializada em matérias pertinentes às Terapias Alternativas.
Consultora Holística, atende há mais de dez anos em Maricá, conveniada
com a OAB Seção Maricá-RJ.
Registrada como divulgadora do conhecimento sobre
Ciência da Homeopatia - Universidade Federal de Viçosa - MG
Curso de Parapsicologia Clínica pelo IBIP - Instituto Brasileiro de Informação
e Pesquisa Parapsicológica-RJ-1977.
Curso de Parapsicologia Psicobiofísica Ensino Pesquisa e Documentação pelo IPRJ
Instituto de Parapsicologia do Rio de Janeiro - 1983.
Registrada na Associação Brasileira de Parapsicologia Matrícula 197.
Mais detalhes consulte o Curriculo Maria Lopes.

CBO 2000 -
Consulte a correspondencia do MTE para Maria Lopes.

Os Alcalóides

Os Alcalóides

São compostos de caráter básico que ocorrem naturalmente, sobretudo no Reino Vegetal. Esses compostos possuem origem biosintética, a paartir das vias do ácido chiquímico em combinação com diversos aminoácidos e apresentam enorme diversidade química, mas de difícil sistematização. Atuam sobre o sistema nervoso central como estimulante anestésico, sedativo e calmante.

São compostos de alta toxicidade quando usado em excesso, ou de maneira incorreta.

A denominação varia em função do ..., da planta(nome científico ou vulgar, ou por sua atividade terapêutica, ou grupos químicos).

Os Alcalóides podem ocorrer em qualquer parte do vegetal, como raiz(confrei).

Folhas maracujá, quebra-pedra ou cascas(romã).

Alcalóide ===> Planta ===> Comentários Punica Romã (Punica Granatum L) Atua no sistema nervoso, dos parasita, paralizando os músculos, e facilitando a eliminação dos mesmos. Atua sobre as Tênias, e Ascárias.

Quinina Quina (Gênero Chinchona) Tratamento da Malária.

Punicina Boldo do Chile (Peumus Boldus) Ações digestivas.

Passiflora Maracujá (Passiflora spL) Utilizado como calmante

Antiespasmódico Pertubações da menopausa Insonia

Nicotina Fumo (Nicotiana Tabacum L) Fácil absorção pelas mucosas. Atuam sobre o sistema nervoso. Exercendo ação depressora Morfina Papoula (Papaver Somniferum) Analgésico Pilocarpina Jaborandí (Pilocarpus Jaborandí) Usado na produção de colírio para glaucoma Emetina Ipeca (Cephrelis Ipecacuanha) Potente amebicida

Aromáticos

Assim os aromáticos que se usam na cozinha diária como também outros de uso menos freqüente, são empregados pela medicina para fins curativos: Açafrão - Limão - Laranja - Baunilha - Noz moscada - Cravo de cheiro - Anis - Menta Funcho - Macela - Melissa - Badiana (anis estrelado).

Laranja - Como as cortiças de limão, as de laranja usam-se na farmacopéia para preparar tisanas estomáticas, empregando-se em ocasiões em qualidade de corretores de outras preparações. Desde o ponto de vista alimentício, a laranja é excelente, como a fruta, em geral.

Baunilha - Eis aqui outro vegetal dos que podem empregar-se na cozinha diária. Açúcar baunilhado - 2 a 7 g Tintura - 2 a 9gotas

Canela - É a cortiça deste vegetal a que se emprega em medicina. As variedades mais usadas são a Canela de China e a Canela de Ceilão.

Geralmente, as doses usuais são:

As propriedades da canela são as dos aromáticos em geral. Mas os tratados populares vão mais longe, não sabemos se com razão ou não, pois afirmam que a canela tem as seguintes propriedades:

afrodisíacas, tônico estimulante, emenagogas, antiespasmódicas, estomacais, anti-reumáticas, excitantes; e recomendam, como formas de uso, fricções do óleo, para o reumatismo.

Convém que o leitor se atinja as prescrições das terapêuticas responsáveis, a fim de evitar conseqüências. p> Noz moscada - Usa-se nos casos dos anteriores, e o chamado Elixir de Garus a contém. Não convém abusar dela, pois doses altas é um narcótico ativo.

Cravo de cheiro - A mais de sua utilização como condimento da cozinha diária há quem lhe concedam propriedades odontológicas, ou seja, que calma a dor de moelas ou dentes produzido pelas cáries, como se sabe. Há terapêuticas sérias que se fazem eco de tal asserto, outras o dão sem certeza. O certo é que nas pastas dentifrícias de que fazemos uso quotidianamente pode estar presente, pelo comum.

Toca-nos referirmos agora aos aromáticos que não se utilizam como condimentos, e que temos separado dos outros para evitar confusões.

Eles são: anis, menta, macela, melissa e badiana.

Anis - Os tratados de plantas medicinais atribuem ao anis propriedades tonificantes, carminativas.

Menta - Da menta são várias as espécies de que se faz uso, e os tratados populares lhes atribuem qualidades também diversas, possivelmente exagerando sua eficácia. Dizem que a menta é sudorífica, tônico estimulante, estomacal, antiespasmódica, antireumática. À chamada menta de cavalo o reconhecem propriedades antifebris e antiespasmódicas, etc.

Vejamos que dizem as terapêuticas. Da menta se tiram o mentol e a essência de menta. A variedade mais usada em medicina é a chamada menta piperita.

Macela - Assim para as dispepsias como para efeitos carminativos .

Melissa - Antigamente se conceituava à melissa como um remédio definitivo para a chamada "tosse convulsa", os modernos tem deixado de utilizá-la nesse aspecto. As preparações Água dos Carmelitas e Água da Carmen a continham. Jean Parker a atribui outras propriedades de que estamos seguros.

Diz: Antiespasmódicas, estimulativas, vulnerárias. Recomendado para cólicas, más digestões. Uso externo para feridas, cardinais, contusões, etc. Advertência: "Use-se a planta nova, nunca a adulta, pois aquela possui a totalidade de suas propriedades, coisa que não lhe sucede a esta".

Badiana - E estimulante, estomacal e carminativa. Parte usada: folhas e sementes, por infusão. Dose: Entre em contato conosco. Outros nomes da planta: Anis-estrelado, anis-da-Sibéria, funcho-da-China. A badiana pode confundir-se muitas vezes com o anis estrelado. Portanto, deve cuidar-se extremamente este detalhe, pela importância que reveste. Coincidimos com os tratados populares em quanto afirmam que a badiana possui propriedades estimulantes das funções digestivas.

domingo, 22 de julho de 2012

Dicionário de Ervas Medicinais


O Blog tem por objetivo trazer um pouco de conhecimento quanto as Ervas Medicinais, não tendo a intensão de que ninguém se automedique, mas que saibam haver outras possibilidades de tratamentos, através da Fitoterapia, busquem no entanto um profissional habilitado.
Este blog já esteve hospedado no www.talternativamla.hpg.ig.com.br, que estou transcrevendo para o Blogspot.

Agradeço ao Sr.José Brittes Filho a grande colaboração à época, assim como ao Prof.Ivan Luiz de Andradade e todos que de uma forma ou outra fizeram possível este trabalho, assim como os inúmeros visitantes e os incentivadores para que o dicionário tivesse uma continuidade.

No momento estou reeditando o Dicionário, em breve estará sendo apresentado com novas postagens e imagens para melhor identificação das espécies.

Na hospedagem do HPG ao sofrer a descontinuidade do Blog, estávamos com 16 000 visitantes, e tivemos a grata satisfação de sermos convidados para participar do CBO 2000 (Classificação Brasileira de Ocupações), minha participação foi indicando Fitoterapeutas, e hoje graças a um trabalho incansável temos as Profissões classificadas e normatizadas na área das Terapias Integrativas.

Professora Maria Lopes de Andrade, Homeopata não médica pela Universidade Federal de Viçosa.(fui Coordenadora de Estagio do Curso de Extensão em Homeopatia da Faculdade Federal de Viçosa). Jornalista com especialização em Terapias, Radialista,Ativista, Parapsicóloga Clínica, Acupunturista,Reikiana, Terapeuta Yorubá, Terapeuta Integrativa, novo conceito da OMS (Organização Mundial da Saúde) por integrar a mente, o corpo e o espírito no tratamento das pessoas. Participei do CBO 2000(Classificação Brasileira de Ocupações).

quinta-feira, 12 de julho de 2012

As Plantas Medicinais «X»

As Plantas Medicinais «X»
XIRIMBEIRA - Cipó-dourado - Cipó-chumbo - Fios-de-ouro - Cuscuta. Cuscuta umbellata Toda a planta utilizada em forma de chá é excelente adstringente, estomáquico e diurético. Usado nas bronquites, tosses e catarros.

O que usar: tintura e planta.Popularmente conhecida como cipó-chumbo,cipó-dourado,fios-de-ouro,anó-peipa. erva trepadeira de caule fino,cor-amarelo alaranjado e sabor amargo. cerca de 12h depois de ter saído de sua semente,o cipó-chumbo(Cuscuta racemosa) lança seu caule em forma de gavinha(vê foto) à procura de um hospedeiro.

Ao cabo de uma semana invade a planta hospedeira,momento em que rompe sua ligação com o solo para se tornar exclusivamente parasita.

Como é totalmente desprovida de clorofila para fazer a fotossíntese,penetra no sistema vascular da planta hospedeira,sugando-lhe a seiva até levá-la à morte.

Reflita: é uma planta medicinal,sendo por exemplo o chá do caule bom para curar:angina,úlceras,afecções da garganta e das vias respiratórias,bronquites,catarros e rouquidão,diarréias. Atenção:Todo e qualquer tratamento deve ser a supervisão e acompanhamento de um profissional habilitado, evite a automedicação.

Parte do texto e foto:http://seresvivosdorn.blogspot.com.br/

As Plantas Medicinais «V»

As Plantas Medicinais «V» VASSOURA - Tupichá - Sida. Sida carpinufolia. Suas folhas são empregadas, em banhos, como emolientes. As folhas, machucadas, aliviam a dor de picadas de abelhas e vespas. Em chás, é indicada nas afecções pulmonares, bronquite, tosse e tuberculose. O que usar: folhas.

VELAME-MIÚDO - Caruru-de-sapo. Oxalis martiana. Empregado com êxito nas dores artríticas e febres perniciosas. Contra angina, utilizam-se de gargarejos. O que usar: folha

VERÔNICA - Chá-da-europa - Chá-do-norte - Verônica-da-alemanha - Verônica-das-boticas - Verônica-macho. Veronica officinalis. Combate a retenção urinária e favorece a expectoração. É de grande utilidade nas afecções pulmonares, icterícia, areias, cálculos dos rins, bexiga, fígado e febres intermitentes. O chá deve ser preparado com toda a planta, por infusão. O que usar: toda a planta.

VERÔNICA-DO-IGAPÔ - Dalbergia monetaria. Com sua entrecasca prepara-se um chá bom contra bronquites. Em banhos, é tônico. O que usar: entrecascas.

VIOLETA - Viola odorata, Viola alba, Viola imberis, Viola mania. Suas folhas e flores, em infusão, servem para fazer gargarejos contra inflamações de garganta. Combate tosses, bronquite, sarampo, dores de garganta, conjuntivite, artritismo, e é sudorífica. Recomendada, ainda, na cura do câncer e úlceras internas. As raízes, folhas e flores secas, em infusão ou decocção, encontram aplicação contra: tosse, bronquite, sarampo, dores de garganta, vômitos. A cataplasma é muito boa em contusões.

VITÍVER - Diaforético, carminativo e estimulante. Empregado nas enxaquecas e nevralgias.

As Plantas Medicinais «V»

As Plantas Medicinais «U»

As Plantas Medicinais «U» UABATIMÓ - Barbatimão. Stryphnodendron barbatimao - Mimosa virginalis - Acacia adstringens - Acacia virginalis. Adstringente empregado em banhos e injeções no combate as afecções escorbúticas, blenorragia, diarréia, hemorragia e leucorréia, usando-se o chá de suas cascas. O que usar: tintura e cascas.

UAMBÉ-CURUA - Cipó-imbé - Curuba - Tracuá - Uambé-curua - Ambé - Bananeira-imbé. Philodendron bipinnatifidum Nas inflamações dos testículos e, em banhos, na erisipela, nas inflamações reumáticas e orquite. O que usar: tintura e planta.

ULMÁRIA - Erva-olmeira - Olmeira - Rainha-dos-prados - Ulmeira. Spiraea ulmaria Indicada nas afecções dos rins e bexiga, nas febres e hemorróidas, por ser um excelente diurético, eliminando assim, as impurezas do organismo que causam estas doenças. O que usar: toda a planta.

UMBAÚBA - Imbaíba - Ambaíba - Árvore-de-preguiça - Baibeira - Torém. Cecropia petalta; Cecropia palmata.

Suas raízes, folhas e brotos são empregadas nos seguintes casos: afecções das vias respiratórias, bronquite, tosse, coqueluche, anúria, enfraquecimento do coração. O suco dos renovos é bom remédio contra as blenorragias e leucorréias. O que usar: brotos, raiz e folhas.

URUCUM - Urucu - Urucuuba. Bixa orellana. O chá de suas sementes, por infusão, é excelente contra os males do coração, prisão de ventre, hemorragia e afecções do estômago, tosse e bronquite (expectorante).

Foto Extraída Do:http://olhosdeoxala.blogspot.com.br Já sua tinta pode ser utilizada como antídoto do ácido prússico (veneno da mandioca). O que usar: sementes.

URUÇU-HUÊ - Alcaçuz - Alcaçuz-da-terra - Raiz-doce - Periandra. Periandra dulcis Combate as inflamações do ventre e das vias urinárias. Sua raiz preparada por decocção, é laxativa, diurética, expectorante e calmante. Tintura: tosses, bronquites e doenças respiratórias. O que usar: tintura e raiz.

UVA-DO-RIO-APA - Abuta - Abútua - Bútua - Parreira-brava - Parreira do mato) Cissampelos pareira - Cissampelos vitis. É tônica, diurética, febrífuga, anti-inflamatória, estimula o apetite, ajuda na menstruação difícil, esclerose e nervosismo. Também funciona para minimizar dores em geral, principalmente as reumáticas. Nos casos de má digestão, dispepsias, sonolências, hidropisia, corrimentos blenorrágicos e menstruação difícil. O que usar: tintura, raiz e casca do tronco.

As Plantas Medicinais «T»

As Plantas Medicinais «T» TAIOBA - Sua raiz ralada e crua é cicatrizante. Ela extermina os bacilos, bichos e destrói a carne podre das feridas. O que usar: raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TAIUIÁ - Trianosperma ficcifolia, Trianosperma glandulosa, Trianosperrna tayuya, Cayaponia tayuya. Poderosa contra a prisão de ventre, ela limpa o sangue e desintoxica o organismo. Esta planta combate as doenças da pele, lepra, sífilis, erisipela, obstrução do fisgado e baço. Suas folhas, usadas em cataplasmas, combate úlceras e faz desaparecer dores reumáticas, por sua ação calmante. O que usar: raiz (principalmente). Posologia e modo de usar: contate-nos.

TAMARINDO - Tamarineiro - Tamarino. Tamarindus indica. O chá feito com a polpa do fruto é refrescante, adstringente e calmante. Atua nas moléstias inflamatórias e febris, nas cólicas, na disenteria e na diarréia. O que usar: polpa dos frutos. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TANSAGEM - Tanchagem - Tanchagem-maior - Tranchagem. Plantago major. Planta aconselhada nos seguintes casos: ardor do estômago, afecções das vias respiratórias, diarréia e disenteria. Em gargarejos, combate inflamações da boca, garganta e gengivas. É ótima purificadora do sangue. Gargarejos: inflamações na boca, gengiva, garganta. Infusão e decocção: depurativo, estomatite, reconstituinte, gripes, ulcerações da garganta e língua, febre, diarréia, bronquite. Externamente: Cataplasma: chagas, úlceras. Infusão para lavagens: conjuntivite, inflamações nos olhos. O que usar: sementes e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TAPIXIRICA - Melastoma akermani. Suas folhas, em infusão, são empregadas nas palpitações do coração e afecções das vias urinárias. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TEJUCO - Cabeça-de-moleque - Cabeça-de-negro. Caput nigri. Com o bulbo da raiz em decocção, é indicado na amenorréia, blenorragia, diarréia, dispepsia, erisipela, escrofulose, febres, leucorréia, reumatismo e sífilis. O que usar: raiz (bolbo). Posologia e modo de usar: contate-nos.

TIMBÓ-MIRIM- Anil - Caá-chica. Indigofera anil. De sua folhas, raízes e sementes faz-se um chá, que tem sido empregado com bons efeitos contra a epilepsia e a icterícia, além de ser antiespasmódico, diurético, estomacal e febrífugo. Com esta planta se fabrica o corante Anil. Tintura: no mal epilético e também na gonorréia. O que usar: sementes, raiz e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TIMO - Tomilho - não confundir com a Satureja officinalis, que também é chamada de tomilho) Thymus vulgaris. Aplicada na atonia do tubo digestivo, cólicas, flatulências, catarros crônicos, diarréia, leucorréia e amenorréia. É bom remédio contra a coqueluche e outras tosses. O que usar: toda a planta florida. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TINGUACIBA - Laranjeira-brava - Tinguaci-uba. Xanthoxylum tinguaciba, Xanthoxylum monogynum. O chá da casca de tinguaciba é remédio eficaz para combater febres intermitentes. Em doses maciças, combate as cólicas intestinais. Externamente é bom para o reumatismo. O que usar: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TORÉM - Ambaíba - Árvore-de-preguiça - Baibeira - Imbaíba - Umbaúba. Cecropia petalta; Cecropia palmata. Suas raízes, folhas e brotos são empregadas nos seguintes casos: afecções das vias respiratórias, bronquite, tosse, coqueluche, anúria, enfraquecimento do coração. O suco dos renovos é bom remédio contra as blenorragias e leucorréias. O que usar: brotos, raiz e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TRACUÁ - Cipó-imbé - Curuba - Uambé - Uambé-curua - Ambé - Bananeira-imbé. Philodendron bipinnatifidum Nas inflamações dos testículos e, em banhos, na erisipela, nas inflamações reumáticas e orquite. O que usar: tintura e planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TRAPOERABA - Olho-de-santa-luzia - Tracoeraba - Trapoeiraba - Trapoeraba-verdadeira (no Sul) - Trapoerava. Tradescantia diuretica, Tradescantia commelina, Commelina communis. Empregada, em banhos, produz bons efeitos contra as afecções herpéticas e dores reumáticas. Em cataplasmas, é bom para hemorróidas. Ingerido, o chá de suas folhas produz bons resultados nos casos de angina, hidropisia, retenção da urina e reumatismo. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TRAPOERABANA - Marianinha (Bahia)- Grama da terra (Maranhão). Commelina deficiens. Empregada, em banhos, produz bons efeitos contra as afecções herpéticas e dores reumáticas. Em cataplasmas, é bom para hemorróidas. Ingerido, o chá de suas folhas produz bons resultados nos casos de angina, hidropisia, retenção da urina e reumatismo. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TRÊS FOLHAS VERMELHAS - Mendanha - Angostura. Evodia febrifuga. O chá de sua casca combate as febres intermitentes. O que usar: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TREVO-CHEIROSO - Anajá-cheiroso - Coroa-de-rei - Trevo-de-carvalho - Trevo-de-cheiro - Meliloto. Melilotus officinalis, Trifolium mililotus. O chá de toda a planta é empregado nas afecções gástricas, afecções nervosas, amenorréia, anúria e reumatismo. Externamente, cura inflamações dos olhos, especialmente conjuntivite. Também é bom desinfetante prestando bons efeitos ao lavar feridas. Em mistura com mel, dissolve o catarro brônquico, é bom para os resfriados e enfermidades da garganta. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

TUIA - Combate pólipos uterinos e intestinais, cura verrugas, erupções da pele, nevralgias da face, reumatismo, inflamações das gengivas e males do peito. É preventivo contra o câncer. Posologia e modo de usar: contate-nos.

As Plantas Medicinais «S»

As Plantas Medicinais «S»

SABUGUEIRO - Sambucus nigra. Suas flores frescas são catárticas e eméticas. Secas, perdem as propriedades laxativas. Mas são usadas, em infusão, contra anginas, resfriados e gripe. Diz-se que também alcança bons resultados nos casos de bronquite, gripe, olhos (lavagens), sudorífero, sarampo, além de proporcionar o aumento da secreção láctea.
A cataplasma das folhas encontra aplicação, externamente, em abscessos e hemorróidas. Folhas machucadas possuem aplicação nos casos de queimaduras, colocadas sobre as mesmas, retirando rapidamente a dor. A casca, raiz e folhas tem indicação para hidropisia, reumatismo e casos de retenção de urina. Externamente, o cozimento das folhas encontram bom resultado para reumáticos e no trato de hemorróidas.
A decocção de casca e flores encontra aplicação nos casos de gota, ácido úrico, hidropisia, obesidade, resfriado, rins, prisão de ventre, e como depurativo e diurético. Já a infusão de cascas e folhas, em fomentações, é utilizada contra queimaduras, erisipela, furúnculos e inflamações superficiais da pele. A fruta possui propriedades que purificam o sangue, além de limpar os rins. Quando seca e tostada, moída e preparada como café, é excelente para interromper a diarréia. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SAIÃO - Kalanchoe brasiliensis Empiricamente, atribui-se o suco ou xarope desta planta para utilização contra tosses e catarros crônicos e, principalmente contra a tuberculose pulmonar. Topicamente, contra aftas, calos, erisipelas, feridas, frieiras, picadas de insetos, queimaduras, tumores, úlceras e verrugas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SALSA - Indicada contra os males dos rins, bexiga, pulmões, inflamações dos olhos, intestinos e fígado; abre o apetite, combate a hidropisia, os gases, a hemorragia nasal e a febre; limpa o sangue, e é expectorante. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SALSAPARRILHA - Salsa-americana - Salsaparrilha-das-boticas - Sarsaparrilha - Sarza - Zarza) Monoecia hexandria, Srnilax medica; Srnilax officinalis; Smilax peruviana; Srnilax syphilitica. Depurativa, diurética e sudorífica, é empregada para combater as enfermidades venéreas, sífilis, gota, reumatismo, pedras nos rins e bexiga, dores nos ossos e muitas doenças de pele. O que usar: raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SALVA - Salva-das-boticas - Salva-dos-jardins - Salva-ordinária. Salvia officinalis. Bastante utilizada na medicina caseira, atuando no combate à asma, bronquites, catarro pulmonar, dor de cabeça, gases, inflamação da garganta e boca, resfriados, sistema nervoso, e outros. O que usar: flores e folhas. Decocção: estomatite, inflamações na boca, coqueluche, coração, gengivas, suores noturnos, tosse. Infusão: esgotamento nervoso, má digestão, cálculos renais e hepáticos, inflamações na garganta. Externamente - Banhos: cansaço, feridas velhas, ulceras varicosas, escrófulas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SALVA DE MARAJÓ - Salva-do-pará - Salva-do-campo. Hyptis incana O chá feito com esta planta é sudorífico, emenagogo, tônico e estimulante. É também usado contra as oftalmias. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SALVA DO RIO GRANDE DO SUL - Lippia citrata. Planta de folhas opostas, com flores brancas, não deve ser confundida com os outros tipos de Salva existentes. Toma-se o chá de suas folhas para fortificar o cérebro, os nervos e controlar ou diminuir o histerismo, além de fortificar o útero e ter propriedades antiabortivas. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SAMAMBAIA - No reumatismo articular ou agudo. Posologia e modo de usar: contate-nos. SASSAFRÁS - Canela-sassafrás - Sassafrás-do-brasil. Sassafras officinalis, Laurus saassafras, Ocotea cymbarum. Planta depurativa e sudorífica empregada nas dermatoses, dores artríticas, gota, reumatismo, sífilis e falta de transpiração. O que usar: raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SAÚDEO DO CORPO - Veja AGRIÃO.

SEMPRE VIVA DOS TELHADOS - Saião-curto. Sempervivum tectorum. Suas folhas são adstringentes por isso, o chá preparado com a infusão delas é bom para afecções cardíacas, escorbuto, hemorragias, hemorróidas e reumatismo. As folhas podem ser trituradas e o suco resultante, misturado com óleo de linhaça puro, atua na redução de dores provocadas pela erisipela ou por queimaduras. O suco também pode ser usado, para combater as diarréias com sangue e a menorragia. Externamente, pode-se aplicar topicamente a folha triturada, por vários dias, para fazer desaparecer calos e verrugas. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SENSITIVA - Dorme-dorme - Dormideira - Erva-viva - Juquer - Juquiri-rasteiro - Malícia-das-mulheres - Vergonha - Vergonhosa. Mimosa humilis, Mimosa pudica. Em chás, a sensitiva é empregada para combater as afecções do fígado, as afecções reumáticas e a prisão de ventre. Em banhos, cura tumores. Em gargarejos, cura inflamações da boca e garganta. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SERPÃO - Planta-russa - Serpilho - Serpol - Timo-silvestre. Thymus serpyllum. O chá feito com o cozimento de toda a planta é bom remédio para bronquite, coqueluche e diarréia. Externamente, cura feridas supuradas. Em banhos quentes, produz bons resultados contra a paralisia e o reumatismo. Sendo, ainda, um bom remédio contra a sarna. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SETE-SANGRIAS - Cuphea balsamona. Excelente remédio contra a arteriosclerose, hipertensão arterial e palpitações do coração. É depurativa do sangue. Limpa o estômago e os intestinos. Aplicada com bons resultados nas doenças venéreas, reumatismo e afecções da pele. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

STEVIA - Stevia rebaudiena. Atua no combate às seguintes moléstias: diabetes, febre, hipertensão, inflamações, insônia, obesidade (como adoçante), reumatismo, tensão, e também como calmante, digestivo, diurético, tonificante. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

SUCUPIRA - Batata e sementes são depurativas. Atuam contra eczemas, manchas da pele, urticária, feridas inflamadas, hemorragias, reumatismo, doenças do estômago, fraqueza e diabete. Age sobre os vasos linfáticos. O que usar: sementes e batata (raiz). Posologia e modo de usar: contate-nos.

SUMARÉ - Bisturi-do-mato - Cola-de-sapateiro - Lanceta-milagrosa - Rabo-de-tatu. Cyrtopodium punctatum, Cyrtopodium brasiliensis. O suco extraído desta planta resolve abscessos e furúnculos. Com o cozimento desta planta, prepara-se um xarope contra tosses rebeldes e coqueluche. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

As Plantas Medicinais «Q»

As Plantas Medicinais «Q» QUÁSSIA - Pau-de-surinã - Quássia amarga - Quássia-de-caiena. Quassia amara. Indicada na blenorragia, cálculos do fígado e dos rins, debilidade do estômago, espermatorréia e flatulências. Usa-se a raiz ou a casca, por maceração O que usar: raiz e cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

QUEBRA-PEDRA - Arrebenta -pedra. Phyllanthus niruri.Caracteristicas

Erva rasteira, de folhas pequenas verdes-azuladas, muito popular em todo Brasil.
Cresce em solos duros. Seu nome se deve ao fato de ser usada nos casos de pedras nos rins. Possui ação analgésica e relaxante muscular.
Observação:Abortiva e purgativa.OBS: As gestantes não deverão fazer uso desta erva medicinal
Utilidades:

Excelente diurético e elimina cálculos renais. Ácido úrico, anúria, ascite, artrite, beriberi, colecistite, derrame (AVC), diabete, uretra.

Forma de Uso
Planta inteira com raiz.
Fonte: www.useplanta.com.br

Dissolve areias e cálculos. Suas folhas, por infusão, para infecções urinárias, dores lombares, anúria, albuminúria, hidropisia, cálculos renais e biliares, corrimentos.

Já o chá de toda a planta combate cálculos do fígado, dos rins e bexiga.

É boa contra dores das juntas, hidropisia e distúrbios da próstata. O que usar: toda a planta.

QUELIDÔNIA - Celidônia. Chelidonium majus. Como calmante na inflamação da vesícula biliar, contra as cãibras do estômago e contra as crises de asma. Para curar inflamações dos olhos e icterícia. O suco de suas folhas e raiz, aplicado externamente, faz desaparecer verrugas e calos, além de apressar a cura de feridas. O que usar: folhas e raiz.

QUITOCO - Caculucage - Madra-cravo - Tabacarana. Gnaphalium suaveolens; Lonchanthera sagittalis; Pluchea quitoco. Contra bronquite, reumatismo e flatulência. Em banhos, elimina dores no corpo.

As Plantas Medicinais «P»

As Plantas Medicinais «P» PACOVÁ - Pato-seroca - Cuité-açu - Pacová-catinga. Renealmia brasiliensis. Externamente, o chá das cascas ou sementes, é usado para banhar feridas e para desinflamar inchaços e contusões. Suas sementes têm ação vermicida. Os rizomas são bons para o estômago, atua combatendo os gases e é excitante. O que usar: cascas, rizoma e sementes. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PANACÉIA - Braço de mono. Possui indicações para reumatismo, gonorréia, dartros, sífilis, moléstias da pele. Tem propriedades diuréticas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PARACARI - Erva-de-são-joão - Catinga-de-bode - Poejo rasteiro. Peltodon radicans; Clinopodium repens; Stemodia viscosa. Indicada ainda contra asma, catarro pulmonar e coqueluche. Externamente, cura eczemas, impigens e tinha. O que usar: folhas e talos. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PARATUDO - Nas cólicas intestinais, indigestões, vômitos rebeldes, evacuações sanguinolentas. O que usar: tintura e cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos. PARIETÁRIA - Alfavaca-de-cobra - Tiritana. Parietaria officinalis. Diurético. Empregada contra as moléstias inflamatórias, anúria, hidropisia, moléstias das vias urinárias, artritismo agudo e crônico e males dos rins. Quando torradas e reduzidas a pó, suas folhas podem ser indicadas na cura de feridas. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PARIPAROBA - Aguaxima - Capeua - Malvaísco - Caapeba (existem outras plantas também conhecidas como caapebal). Piper umbellatum; Piper sidefolium; Piper hilarianum; Piper peltatum; Piper macrophyllum; Cissamelos caapeba; Piperonia umbellata; Heckeria umbellata; Potomorphe umbellata.

Bom remédio para a febre por ser sudorífica e diurética. Indicada contra os resfriados, boa para o fígado, baço, azias, úlceras e hemorróidas, além de baixar a pressão.

Usa-se o chá de suas folhas, por infusão, em dose normal, no combate aos resfriados, a escrofulose e o escorbuto. Nestes últimos casos, o tratamento pode prolongar-se por diversos meses.

Já as sementes, quando secas reduzidas a pó, podem ser misturada ao óleo de Linhaça, com bons resultados na pleurisia.

Pode-se ainda aplicar, em forma de cataplasmas, nas costas, na região dos pulmões.

Ainda pode-se utilizar a mesma mistura sobre furúnculos e tumores, apressando-se sua maturação.

Já a raiz - que é sudorífica, estomáquica, diurética e febrífuga - pode ser utilizada, por decocção, em dose normal, na icterícia e nas moléstias do fígado e baço. O que usar: sementes, raiz e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PARREIRA BRAVA - Abútua / Parreira do mato / Uva-do-rio-apa / Bútua / Abuta. Cissampelos pareira; Cissampelos vitis. É tônica, diurética, febrífuga, antiinflamatória, estimula o apetite, ajuda na menstruação difícil, esclerose e nervosismo. Também funciona para minimizar dores em geral, principalmente as reumáticas. Nos casos de má digestão, dispepsias, sonolências, hidropisia, corrimentos blenorrágicos e menstruação difícil. O que usar: tintura, raiz e casca do tronco. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PARREIRA DO MATO - Veja "Parreira Brava". PASSIFLORA - Composto. Poderoso calmante e sedativo que, devido a sua ação branda, não causa prejuízos à saúde do usuário, no entanto as pessoas com Pressão arterial baixa não deverão utilizar esta erva medicinal. Usado com bons resultados para insônia, tosses rebeldes, etc. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PATA-DE-VACA - Unha de vaca. É depurativa e age contra o diabete. Cura os males dos rins e a prisão de ventre. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU PEREIRA - Para inapetência (falta de apetite), febres palustres, digestões difíceis. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-AMARGO - É de grande eficácia contra febre amarela, malária e diabetes. Indicado, também, contra fraquezas do estômago, indigestões, febres intestinais, gases, diarréias e, em casos de convalescença. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-D'ALHO - Cipó-d'alho - Guararema - Ibirarema - Ubirarema. Cratoeva gorarema; Gallezia gorarema; Gallezia guararema; Gallezia scorododendron; Seguiera alliacea. Suas folhas, em cataplasmas, resolvem abscessos e alivia as dores reumáticas. Já o chá, em decocto, de suas folhas faz efeito rápido no tratamento da blenorragia e dos vermes. Previne hemorróidas e doenças da pele. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-D'ARCO - Ipê -Ipeuva - Ipê-tabaco - Mãe-liana. Tecoma conspicua. É empregado como adstringente, sendo utilizado contra estomatites e úlceras da garganta, de origem sifilítica. O que usar: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-DE-COLHER - Árvore-de-leite - Leiteira. Tabernaemontana echinata. Sua seiva leitosa produz bom efeito contra as úlceras. As folhas, em decocto, ou suas cascas, retardam e moderam os batimentos do coração. O que usar: seiva, cascas e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-FERRO - Itu - Quiri-pininga. Arauma brasiliensis; Dialium divaricatum; Dialium ferrum. O chá feito com o cozimento da casca desta planta é depurativo e produz bons resultados nos seguintes casos: diabetes, escrófulas, gota, quilúria, reumatismo e sífilis. O que usar: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PAU-HOMEM - Murapuama - Muiratã - Marantã - Marapuama. Acanthes virilis, Ptychopetalum olacoides. Afrodisíaco. O princípio ativo desta planta age como um poderoso tônico neuro-muscular. O chá feito com suas raízes é usado em banhos e fricções para tratar paralisias e beribéri. Ingerido produz bons efeitos nos casos de: astenias cardíaca e gastrintestinal, debilidade, gripe, impotência, paralisias parciais e reumatismo crônico. O que usar: raiz e hastes de plantas novas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PEDRA HUME KAÁ - Para o tratamento do diabete. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PERIANDRA - Alcaçuz-da-terra - Raiz doce - Alcaçuz - Uruçu-huê. Periandra dulcis. Combate as inflamações do ventre e das vias urinárias. Sua raiz preparada por decocção, é laxativa, diurética, expectoraste e calmante. Tintura: tosses, bronquites e doenças respiratórias. O que usar: tintura e raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PEROBA-ROSA - Aspidosperma gomezianum. Contra infecções causadas por germes e picadas de insetos, especialmente contra a malária. Produz o mesmo efeito do quinino, com a vantagem de não irritar o estômago. Tônico e febrífugo. O que usar: cascas.

NFORMAÇÕES PRINCIPAIS: Nome popular: peroba amargosa, peroba rajada, peroba açu; Altura e diâmetro: de 25 a 45 metros de altura com 60 a 90 de diâmetro; Floração: de agosto a setembro; Ocorrência: dominante na Mata Atlântica;

Foto extraída:http://andrey-rocha.blogspot.com.br/ Conservação de recursos genéticos: é uma espécie que se encontra em extinção na região Norte do Paraná e em Mato Grosso, onde está na categoria de espécie vulnerável, necessitando com urgência de programa de conservação genética. Ela encontra-se na lista das espécies para conservação no Brasil. PEROBINHA DO CAMPO - Na dismenorréia, enxaqueca e afecções nervosas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PERPÉTUA - Amarantóide-violeta - Amaranto-globoso - Imortal - Perpétua-roxa - Suspiro - Suspiro-roxo. Gomphrena globosa. Nas afecções das vias respiratórias. O que usar: flores. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PERSICÁRIA - Acataia - Capetiçoba - Capiçoba - Cataia - Erva-de-bicho - Pimenta-d'agua - Pimenta-do-brejo. Polygonum acre; Polygonum antihoemorrhoidale; Polygonum hydropiper; Polygonum punctatum. Usa-se toda a planta com proveito nos casos de artritismo, blenorragias, diarréias sanguíneas, disenterias, estrangúria, febres, sífilis e vermes intestinais, hemorróidas e também contra as congestões cerebrais. Contra as febres perniciosas, usa-se o suco das folhas frescas. Também pode-se aplicar clisteres. Atenção: esta planta tem forte ação emenagoga e abortiva. Portanto, não deve ser usada por gestantes. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PICÃO - Contra o reumatismo, doenças da bexiga e rins, males do estômago e hepatite. Seu suco cura feridas, icterícia e é desobstruente do fígado, além de ser útil na diabete e inflamações da garganta. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PICÃO COMUM - Na icterícia. Possui ação eficaz sobre o fígado e bexiga. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PICÃO DA PRAIA - Carrapicho-da-praia - Salsa-da-praia. Plumbago littoralis; Melampodium divaricatum. Nas afecções do peito, tosse, reumatismo muscular e articular, vertigens, palpitações, erisipelas, anúria e icterícia. Bastante útil nos casos de flatulências acompanhadas de cólicas do estômago e intestino. Com bons resultados nos casos de impaludismo, febres palustres e febres em geral. O que usar: folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PICHURI - Pichurim. Sua fava é usada como carminativo, excitante e tônica. Nas disenterias e nas dispepsias flatulentas. O que usar: frutos e tintura. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PIMENTA-DO-FRUTO-GANCHOSO - Tapa-buraco -Jaborandi-falso - Aperta-ruão. Piper aduncum - Piper scabrum - Piper celtidifolium - Piper lanceolatum - Piper arborescens - Stephensua adunca - Artanthe adunca. Suas sementes, em banhos, são usadas para tratar feridas. Com suas folhas prepara-se um chá bom para combater as hemorragias, diarréias e as moléstias do fígado. Além de suas folhas, cascas e raízes mascadas terem uma boa utilização contra o mau-hálito, perfumando a boca. Seus frutos são diuréticos e resolutivos. Tintura: nas doenças do fígado e rins. Nas doenças do aparelho genito-urinário e blenorragias. O que usar: tintura e planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PINHÃO DO PARAGUAI - Pinhão-bravo - Pinhão-da-índia - Pinhão-de-purga - Pinhão-das-barbadas - Figo-do-inferno - Mandubiguaçu - Medicineira - Pião - Purgueira. Jatropha curcas. A amêndoa pode ser levemente torrada e, depois de moída, ingerida com água, ou mesmo com café (sem cafeína), adoçado com mel, com forte efeito purgativo. Já o óleo extraído da amêndoa, tomado com o mesmo café, tem forte efeito drástico e é um bom remédio contra a hidropisia. NÃO TOME EM GRANDES QUANTIDADES. Em doses elevadas é venenoso. Suas folhas também são purgativas. O que usar: Amêndoa, folhas, óleo e seiva leitosa. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PITANGUEIRA - Antifebril e anti-gripal. Também utilizada contra o reumatismo e a gota. OBS: Algumas pessoas apresentam alergia no uso desta erva. Evite a automedicação. Procure um profissional Habilitado.

PLUMÉRIA - Nas doenças ovarianas e uterinas. Em altas doses apresenta ação purgativa. Posologia e modo de usar: contate-nos.

POAIA - Ipê-caa-coêne - Ipecacuanha-canela-da-menor - Ipeca - Ipecacuanha - Poaia-cinzenta - Poaia-verdadeira - Poaia-das-boticas - Raiz do Brasil. Callicocca ipecacuanha, Cephalis emetica, Cephalis ipecacuanha, Ipecacuanha brasiliensis, Ipecacuanha disenterica, Ipecacuanha fusca, Ipecacuanha officinalis, Psycotria ipecacuanha, Uragoga ipecacuanha. Do cozimento da raiz de ipecacuanha é expectoraste, e um bom remédio contra bronquite, coqueluche e disenteria, mas o chá deve ser tomado com moderação porque em grande quantidade esta planta é tóxica. O que usar: raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos.

POEJO - Erva-de-são-lourenço. Mentha pulegium; Pulegium vulgare. Suas folhas, por infusão, atuam nos casos de tosse, rouquidão, afecções gástricas, gases, bronquite, asma. Também é expectoraste, para acidez e ardor do estômago, arrotos, catarros em geral, debilidade geral, debilidade do sistema nervoso, diarréia, enjôo, hidropisia, insônia, menstruação irregular e gases. O que usar: toda a planta, fresca e florida. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PORANGABA - Bugrinho - Chá-de-bugre. Condia salicifolia. Planta da família das borragináceas, é tida como excelente diurético. Atua com eficácia no combate a obesidade e ajuda a evitar a formação de depósitos gordurosos. Ajuda a diminuir a barriga. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PORRETE - Quinino do campo. Tônico amargo. Antifebril e antiespasmódico. Nas dispepsias e nos embaraços gástricos. O que usar: tintura e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos.

PRÍMULA - Primavera - Pão-e-queijo. Primula officinalis. Depurativa do sangue tem indicação na gota e no reumatismo; é bom calmante, devendo ser empregada nos casos de excitação. Indicada nos espasmos do estômago e na tosse espasmódica. A raiz é eficaz contra as pedras da bexiga e dos rins. Suas folhas são muito saudáveis, e podem ser usadas cruas, em saladas. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos.

As Plantas Medicinais «O»

As Plantas Medicinais «O» ÓLEO VERMELHO - Calmante e expectorante nas afecções das vias respiratórias, bronquites, asma e tosse em geral. O que usar: tintura e cascas.

OLIVEIRA - Estimula o apetite e, é bom remédio para quem sofre do peito; o chá das folhas ajudam a baixar a pressão.

As Plantas Medicinais «N»

As Plantas Medicinais «N» NABO - É fortificante, eficaz contra tuberculose. Suas sementes são indicadas contra as doenças da bexiga e do peito. Combate as frieiras.

NARANAZEIRO - Guaraná. Paullinia cupana Devido as suas propriedades adstringentes, o guaraná é excelente remédio nas diarréias, gases, disenterias e hemorragias. Recomendado contra a arteriosclerose, nevralgia e enxaqueca. O guaraná também é tônico, revigorante, estimulante e reconstituinte, levantando a força dos depauperados. Também usado nas infecções e como desinfetante. Externamente: possui propriedades cicatrizantes. Obs.: crianças, mulheres gestantes ou que amamentem, cardíacos e hipertensos devem evitá-lo. O que usar: sementes (reduzidas a pó).

NHANDIROBA - Nas doenças do aparelho digestivo. Posologia e modo de usar: contate-nos NOGUEIRA - Sua raiz combate o reumatismo; a casca, torrada e bebida em vinho, combate areia e pedras da bexiga; suas nozes são ótimo alimento para os nervos e para o crescimento. Seu chá limpa e fortalece o sangue.

NOZ MOSCADA - Nas cólicas e dispepsias.

As Plantas Medicinais «M»

As Plantas Medicinais «M»

MACELA - Usada contra indigestões, problemas do estômago, falta de apetite e perturbações gástricas. Seu suco é usado em casos de epilepsia.

MACIEIRA - Pirus malus O chá de suas folhas nutre o baço e o sistema nervoso; produz um sono calmo e é desinfetante bucal. A água das maçãs atua no combate às inflamações urinárias, má digestão, acidez, febre, resfriado, rouquidão, diarréia, prisão de ventre. Já os banho de assento tem aplicação na leucorréia, enquanto os vinho de maçã atuam na má digestão e acidez estomacal. O que usar: Casca do tronco, folhas e frutos.

MÃE-BOA Vitis sulcicaulis, Vitis nili, Cissus alata Em chás e banhos, para curar o reumatismo gotoso. O que usar: toda a planta. Posologia e modo de usar: contate-nos MAITENO - Nas doenças dos rins. Nas perturbações dolorosas do estômago e fígado, com ação laxativa.

MALAGUETA - Quinjá-apuá - Pimenta-comarim-verdadeira - Quiia-apuá - Quau-chile. Piper rubra, Capsicum baccatum, Capsicum pendulum, Capsicum conicum, Capsicum brasilianum. O suco do fruto, misturado com farinha, age como uma enérgica cataplasma em casos de meningites e congestões cerebrais. As folhas da malagueta, machucadas e misturadas com azeite são boas para resolver tumores em aplicações externas. O suco da malagueta, misturado com óleo de rícino combate a queda dos cabelos. O que usar: frutos e folhas.

MALVA - Malva-grande -Malva-verde -Malva-de-botica. Malva sylvestris, Malva vulgaris, Malva hirsuta Excelente contra catarros de qualquer espécie. Em gargarejos ou inalações, resolve enfermidades da garganta e ouvido. É recomendada, ainda, para banhos, gargarejos, inflamações da vista e dor de dente. Suas folhas são emolientes, e freqüentemente usadas na forma de banhos de cozimento, contra inflamações em geral. O que usar: flores, raiz e folhas. Infusão e decocção de folhas e flores: infecção urinária, prisão de ventre, inflamação intestinal, obesidade, tosse. Infusão das flores - bochechos (EXTERNAMENTE): inflamações na boca, gengiva e garganta. Cataplasma das folhas (EXTERNAMENTE): artrite, gota, abscessos, dentes. Banho de flores e folhas: nervosismo.

MALVA-BRANCA -Malva-branca-sedosa. Sida cordifólia USO EXTERNO - Suas folhas são emolientes. Socadas, suas folhas dão um excelente remédio quando colocadas sobre picadas de vespas. O cozimento de sua raiz é empregado, externamente, na blenorragia. O que usar: folhas e raiz.

MALVÃO - Cura lesões córnicas e hemorróidas. Em banhos, atua contra o reumatismo, males da bexiga e inflamações internas. Seu chá evita o câncer.

Mandacarú

Cereus giganteus

Descrição : Planta da família das Cactaceae. Também conhecida como jamacaru, cardeiro, urumbeba, urumbeva, saguaro (espanhol, inglês, italiano, português), cactus saguaro (francês), saguaro kaktus (alemão).

Parte utilizada: flores, caule, polpa dos frutos.

Princípios Ativos: ácido nucléico, lipídios, proteínas, resina.

Propriedades medicinais: diurética, cardiotônica.

Indicações: afecção pulmonar, catarro da bexiga, retenção da urina, estimulante, tônica para o coração.

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada. Porém nenhuma planta deve ser consumida em excesso e nenhum tratamento deve ser feito sem orientação médica.

Modo de usar:

- flores consumidas "in natura" ou secas.

- polpa dos frutos.

- caule batido em liquidificador, com água.

- pomada da tintura da seiva do caule.

Referência :

A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras - Ricardo Lainetti e Nei R. Seabra de Britto - Editora Ediouro. 1979.

Plantas que Curam - Cheiro de Mato. Sylvio Panizza - IBRASA. 1997.

Letra da música -Luíz Gonzaga Mandacaru quando fluora na secaa..
é um sinal que a chuva chega no sertãão
toda menina que enjoa da boneca
é sinal de que o amor
ja chegou no coração!
meia comprida não quer mais sapato baixo
vestido bem cintado não quer mais esse timão!
ela só que,só pensa em namorar,
ela só queer,só pensa em namoraar..

MANACÁ - Jeratacá - Cangambá - Caá-gambá - Eratataca. Brunfelsia Hopeana, Brunfelsia latifolia. O chá feito com o cozimento da raiz desta planta previne a sífilis e o reumatismo. É diurético, emenagogo e purgativo. Em dose elevada é venenoso, causando urticária, vômito, febre e letargia. O que usar: raiz.

Referência
http://www.plantasquecuram.com.br MANGUE VERMELHO - Mangue-verdadeiro -Mangue-de-sapateiro - Mangue-de-pendão - Guarapari - Guaparaíba - Canaponga - Mapareíba) Rhizofora mangle. O cozimento de sua casca é usado contra diarréias, disenterias, hemorragias e leucorréias. O que usar: cascas.

MANJERICÃO - Indicado contra gases. É excitante, digestivo e combate fraquezas. O cozimento de suas raízes serve para estagnar o sangue.

MANJERICÃO-DA-FOLHA-LARGA -Veja ALFAVACA. MANJERONA - Flor-do-himeneu. Origanum majorana, Majorana hortensis. Indicada contra fraqueza dos músculos e nervos. Abre o apetite. Atua contra cólicas e reumatismo. Antiespasmódica, na dilatação do estômago, insônia, gases e nos resfriados. O que usar: toda a planta.

MARACUJÁ - É calmante, age contra dores em geral, combate a insônia e angústias, é diurético. Sedativo, favorecendo sono calmo e tranqüilo. Suas sementes e raízes são vermífugas.

MARACUJÁ-AÇU - Maracujá-silvestre - Maracujá-guaçu - Maracujá-suspiro - Grenadilha. Passiflora quadrangularis. O chá desta planta preparado em infusão é recomendado nos seguintes casos: alcoolismo crônico, asma, coqueluche, convulsão infantil, diarréia disenteria e dor de cabeça nervosa. O que usar: folhas verdes.

MARAPUAMA - Marapuama - Muiratã - Marantã - Pau-homem. Acanthes virilis, Ptychopetalum olacoides. Afrodisíaco. O princípio ativo desta planta age como um poderoso tônico neuro-muscular. O chá feito com suas raízes é usado em banhos e fricções para tratar paralisias e beribéri. Ingerido produz bons efeitos nos casos de: astenias cardíaca e gastrintestinal, debilidade, gripe, impotência, paralisias parciais e reumatismo crônico. O que usar: raiz e hastes de plantas novas.

MARAVILHA - Jalapa-falsa - Bonina - Boas-noites Equisetum pyramidale, Equisetum Martii, Equisetum ramosissimum, Equisetum bogotensis. Diurético, energético. Contra úlceras, cortes, contusões e feridas, nas doenças das vias urinárias, rins e bexiga. É boa no tratamento de hemorragias e gota, e de grande utilidade no tratamento do câncer. A parte recomendada para fazer o chá são seus brotos verdes. Notável eliminador do ácido úrico. O que usar: tintura (dos brotos verdes)

MIL-HOMEM - Nas doenças do estômago e intestino. Nos estados febris infecciosos.

MIMOSA - Desobstruente e laxante.

MIROSPERMUM - Mirosperma Balsâmico e expectorante. Nas bronquites e na asma. Age levemente como diurético.

MORANGO - Fragaria vesca. As raízes, folhas e frutos são ótimos remédios contra inflamações dos rins, da bexiga e da retenção da urina. É bom para combater disenterias, azia, gota e reumatismo. O que usar: Folhas, raiz e frutos secos. Decocção da raiz: inflamações na boca e garganta, intestino, diurético, vermífugo. Compressas: chagas, feridas, úlceras, pequenas queimaduras. Suco: dor de dentes, febre, gota, cálculos. Obs.: não usar em caso de alergia e diabetes.

MULUNGU - Muchocho - Murungu. Erythrina mulungu. Em banhos, o chá das cascas de mulungu acalmam a excitação, o stress, e combate as insônias. Também usado em muitos casos de asma e bronquite. O que usar: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos MURTA-CULTIVADA - Murta vulgar - Murta cheirosa - Mirto. Myrthus communis. Bom tonificante para o organismo, a murta estimula as forças decaídas. Em banhos, é excelente na anemia, na neurastenia, nas enfermidades reumáticas na elefantíase e na leucorréia. O que usar: cascas e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos MURURÉ - Depurativo anti-reumático, tônico e anti-sifilítico.

MUTAMBA-PRETA - Açoita cavalo - Ivitinga - Ivantiji. Luhea grandiflora A raiz desta planta é bastante empregada nos casos de disenteria e hemorragia (EXTERNAMENTE, em banhos); e também em casos de artrite, diarréia, leucorréia, reumatismo, ulcerações e tumores (na forma de chá). O que usar: raiz e cascas.

________________________________________ MARIA LOPES DE ANDRADE PRESIDENTE DO INSTITUTO DE TERAPIAS ALTERNATIVAS MARIA LOPES Membro da Ordem dos Jornalistas do Brasil Consultora Holística, atende há mais de dez anos em Maricá - RJ. Registrada como divulgadora do conhecimento sobre Ciência da Homeopatia - Universidade Federal de Viçosa - MG ACUPUNTURA - HOMEOPATIA - AURÍCULO TERAPIA - BALANCEAMENTO MUSCULAR

As Plantas Medicinais «L»

As Plantas Medicinais «L» LÁGRIMA DE NOSSA SENHORA -

FAMÍLIA: GRAMÍNEAS (Almeida Pinto) Planta muito conhecida, facilmente enco

ntrada na Mata Atlântica - RJ. Sementes(frutos) utilizadas para colares e bijuterias. O seu chá serve para combater inflamações dos rins e bexiga. Excelente diurético. Externamente usa-se o cozimento em banhos quentes, contra o reumatismo e as inchações.

LANCIFÓLIA - Nas afecções de útero e ovário. Em alta dose age como purgativo.

LARANJEIRA - Citrus aurantium Suas folhas, flores e cascas são estimulantes tônicas e sudoríficas; indicadas nas contrações musculares, indigestões, cólicas, epilepsias e males dos nervos. Óleo e infusão das flores: estomatite, insônia, febre. O que usar: Casca, folhas e flores.

LARANJNHA DO MATO - Limãozinho - Quina-de-espinho - Quina peruana. Munida brasiliensis, Acanthocladus brasiliensis, Colocynthis, Monadelphia octandria. Antifebril. Indicada nas dores do estômago e dos intestinos; combate cólicas menstruais, gases, tonturas e vômitos. É digestiva e limpa o sangue. O que usar: raiz.

LENTILHA-D'AGUA - Flor-d'água - Erva-de-santa-luzia (existem outras plantas com o nome de Erva-de-santa-luzia. Cuidado para não confundir) Pistia stratiotes, Pistia occidentalis Planta aquática. Seu chá é um bom diurético, empregado nos casos de hidropisia, enfermidades da bexiga e dos rins. Suas folhas secas, reduzidas a pó, para tomar em mistura com mel várias vezes ao dia, combate a sífilis. O que usar: planta.

LEONORUS - Para falta de apetite. Possui propriedades tônicas, diuréticas e antiespasmódicas.

LIBANOTIA - Veja ALECRIM DE JARDIM. LIMA - Rica em vitamina C, é recomendada contra febre e urina presa. O chá feito com as cascas e folhas da lima põe fim a pressão baixa e combate as perturbações do estômago.

LIMÃO - Citrus limonum Conhecido como panacéia universal, atua sobre dezenas de males, alcançando todo o corpo, com propriedades curativas e regeneradoras no organismo. O que usar: fruto, casca e folhas. Suco: gota, reumatismo, arteriosclerose, hipertensão, artrite, depurativo do sangue, febre, feridas (externo), etc. Gargarejo: inflamações na boca e garganta. Infusão: má digestão, gases, diarréia, insônia, conjuntivite (externo). Decocção: malária. Fricção: nevralgia, reumatismo.

LIMÃO BRAVO - Nas bronquites, laringites, catarro crônico dos pulmões. Excitante e carminativo. Na prevenção do reumatismo.

LÍNGUA-DE-VACA - Buglossa - Sanguineira - Erva-de-sangue. Chaptalia nutans, Tussilago nutans, Chaptalia ingrifolia. Indicada na blenorragia, catarro pulmonar, dermatoses, erupções cutâneas de origem sifilítica e tosse. Externamente, é um bom remédio para lavar úlceras e tumores. Suas folhas, aquecidas, colocadas sobre as têmporas, aliviam a dor de cabeça e facilitam o sono. O que usar: toda a planta.

LOMBRIGUEIRA - Caxinguba - Uapuim-açu. Ficus anhelmintica O leite que se obtém ao cortar o tronco desta planta, combate lombrigas e expulsa a tênia. O que usar: seiva leitosa. Usar com cuidado; dose excessiva é prejudicial.

LOSNA - Erva dos Vermes -Absíntio. Artemisia absinthium Elimina os vermes, faz descer menstruações difíceis; tônico, distúrbios biliares e hepáticos, flatulência, má digestão, reumatismo, gota, febre intermitente, diarréia, mau hálito, cólicas e problemas de fígado. É vermífugo e calmante. Tome Cuidado! Em demasia destrói os glóbulos vermelhos do sangue.

LOURO - Louro comum - Loureiro-de-presunto - Loureiro-de-apolo - Loureiro-dos-poetas. Laurus nobilis Usado nas comidas como condimento. É empregado contra a anúria, amenorréia, dispepsia, nevralgia, reumatismo e úlceras. O que usar: frutos e folhas.

LOURO-PRETO - Canela-preta - Pó-de-santana. Nectandra mollis, Nectandra amara, Nectandra amara australis, Laurus atra. Emenagoga. Tem emprego em diversas enfermidades, como azia, catarros intestinais, atonia, diarréias, moléstias do estômago, disenterias, flatulências, irritações gastrintestinais, enterite catarral e crônica, e lienteria, devendo, nestes casos usar-se a casca, por infusão, em dose normal. O que usar: cascas em pó.

As Plantas Medicinais «H»

As Plantas Medicinais «H» HAMAMELIS - Hamamelis virginiana A tintura da casca e folhas tem ação desinfetante. A tintura, e também em forma de pomada, pode ser utilizada, externamente, em casos de hemorróidas, disenteria, gonorréia, leucorréia, tumores, inflamações externas, pústulas, inflamação dos olhos, picadas de insetos, veias varicosas. Já o decocto é utilizado no combate às diarréias, menstruação em excesso, hemorragia pulmonar.

HERA-TERRESTRE - Nepeta glechoma; Glechoma sederacea; Calamenta hederacea. Vegetal empregado nas afecções catarrais, principalmente nas das vias respiratórias, pois facilita a expectoração e combate as secreções mórbidas do catarro. Usada também, nas debilidades do estômago, dispepsias e flatulências. É também um bom diurético. Aplicada em cataplasmas, resolve úlceras e tumores. O que usar: planta florida Dose: deve ser tomada fria, às xícaras.

HISSOPO - Hyssopus off fficinalis O que usar: Flores, e folhas secas. USO INTERNO: óleo e infusão: asma, bronquite, inflamações da boca e garganta, depurativo, digestivo. USO EXTERNO: óleo e infusão: chagas e úlceras, erupções cutâneas. Compressa: contusões.

HORTELÃ - Monarda punctata Usa-se toda a planta, em infusão e salada, nos casos de amenorréia, náuseas, vômitos, gases, analgésica, estimulante, diurética. O que usar: planta.

HORTELÃ - Menta Mentha piperita Estimulante e tônico, indicado contra a prisão de ventre, cólicas intestinais, hepáticas e abdominais, dores de cabeça, digestão difícil, insônia, flatulência, vermes, cálculos biliares, icterícia, palpitações, tremedeira e reumatismo. É usado também corno calmante e afrodisíaco. Seu bagaço limpa feridas, enquanto que o sumo desta planta embebido em algodão acalma as dores de dente. O que usar: flores e sumidades floridas.

As Plantas Medicinais «G»

As Plantas Medicinais «G» GAMELEIRA - Figueira-branca - Figueira-brava. Ficus doliaria. O chá feito com a casca desta planta expulsa lombrigas e combate a hidropisia. Externamente, pode-se aplicar o leite desta planta sobre os cravos das boubas, para curá-las. O que usar: suco leitoso e cascas.

GENCIANA - Tônica, estomática e febrífuga.

GENGIBRE - Zingiber officinalis É afrodisíaco, excitante e digestivo, e estimula a imunidade. Combate cólicas, gases, gripes, tosses e bronquites, diarréias, resfriados, asma, cólera, gota, infecções, mau-hálito, tártaros, inflamações gengivais, reduz o colesterol. De sua raiz é feito o quentão das festas de São João. O que usar: raiz e cascas.

GERVÃO - Indicado contra moléstias do estômago e fígado, febres e prisão de ventre. Lavar a cabeça com o chá facilita a menstruação. O que usar: planta.

GINSENG - Panax quinquefolium Tonificante; no trato de resfriados, tosse, estomatite, prisão de ventre, inflamações urinárias e pulmonares, distúrbios nervosos, fadiga, úlceras gástricas. Usa-se a raiz, em infusão e/ou mascada.

GIRASSOL - Helianthus annuus Indicado contra resfriados, hemorragia nasal, males do coração, dores do estômago, nervos e contusões. Tintura das folhas: febre, malária, resfriado, estomatite, hematúria. Infusão das sementes: excitação nervosa. Uso externo da tintura: chagas, contusões, feridas. O que usar: sementes e folhas tostadas.

GOIABA - Corta a diarréia, é indicada contra tosses e bronquite. Contrai varizes, além de ser eficaz em gargarejos e lavagens intestinais.

GUACO - Cipó-catinga - Erva-de-cobra. Mikania guaco; Mikania amara Sudorífico, antiespasmódico. O chá de suas folhas e indicado contra o reumatismo, febres, gota e sífilis. No interior, também é empregada contra o veneno de cobras e insetos, por ser cicatrizante e calmante. É excelente xarope contra tosses rebeldes, gripe e bronquite. O que usar: folhas.

GUAIACO - Pau-santo Guayacum officinalis O cozimento de suas cascas e talos, é indicado contra as afecções da pele, amenorréia, asma, bronquite, catarros crônicos, escrofulose, gota, gripe, resfriados, reumatismo e sífilis. O que usar: cascas e talos.

GUAPEVA - Nhadiroba - Jabotá Fevillea trilobata Suas sementes, levemente torradas, são empregadas contra a inflamação do fígado e a icterícia. O azeite que se obtém das sementes é purgativo e, em fricções, combate reumatismos, impingens e erisipela. O suco de suas folhas é excelente contra mordidas de cobras, e bom como carrapaticida. O que usar: sementes e folhas

GUARANÁ - Naranàzeiro Paullinia cupana Devido as suas propriedades adstringentes, o guaraná é excelente remédio nas diarréias, gases, disenterias e hemorragias. Recomendado contra a arteriosclerose, nevralgia e enxaqueca. Para estes fins usa-se o guaraná em pó. O guaraná também é tônico, revigorante, estimulante e reconstituinte, levantando a força dos depauperados. Também usado nas infecções e como desinfetante. Externamente: possui propriedades cicatrizantes. Obs.: crianças, mulheres gestantes ou que amamentem, cardíacos e hipertensos devem evitá-lo. 0 que usar: sementes (reduzidas a pó).

GUASSATONGA - Cicatrizante e hemostático.

GUAXUMA - O chá da raiz de guaxuma é indicado nos casos de urina presa, tosse e bronquite. É vermífuga, faz baixar a pressão, atua contra a indigestão e amarelão.

GUINÉ - Petiveria alliacea Indicado contra as doenças da cabeça, da vista e contra a falta de memória. É bom para tratar reumatismos, doenças venéreas, reumatismo, paralisia e nervos. Também possui ação antiespasmódica, abortiva, diurética, e como vermífugo. Além de o chá de sua raiz aliviar as dores de dente. O que usar: folhas e raiz.

As Plantas Medicinais «F»

As Plantas Medicinais «F» FEDEGOSO - Mata-pasto - Mamangá - Pajamarioba. Cassia occidentalis; Cassia medica Suas folhas são purgativas e emenagogos. A casca da raiz é diurética, boa no combate à hidropisia e às moléstias do fígado. O decocto de suas raízes age como antelmíntico enérgico e de grande eficácia contra a febre. O que usar: folhas, raiz e cascas.

FEL DA TERRA - Na icterícia, febres constantes e nos embaraços gástricos. O que usar: planta. Posologia e modo de usar: contate-nos. FEVÍLLEA - Nas dores de estômago e fígado. Posologia e modo de usar: contate-nos. FICIFÓLIA - As folhas, em infusão, são empregadas nas histerias, asma, cólicas menstruais, menstruações difíceis e febres intermitentes. O que usar: folhas.

FIGO - Bom alimento para os nervos. O chá de suas folhas serve para fazer gargarejos, curar gengivas e diabete, e bom para eliminar cálculos dos rins e fígado. O que usar: folhas.

FIOS-DE-OURO - Cipó-dourado - Cipó-chumbo -Xirimbeira - Cuscuta) Cuscuta umbellata Toda a planta utilizada em forma de chá é excelente adstringente, estomáquico e diurético. Usado nas bronquites, tosses e catarros. O que usar: tintura e planta.

FLOR-DA-NOITE - Flor-do-baile - Flor-cheirosa - Cactus-de-flor-grande. Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus. Evita a angina do peito. Combate os males do coração, causados pelo excesso de café, álcool e fumo. Atua contra o nervosismo, febres, resfriados e dores de cabeça. O que usar: caules.

FLOR-DA-TRINDADE - Amor-perfeito - Violeta de Três Cores. Viola tricolor, Viola arvensis. Depurativo do sangue. É indicado nas afecções cutâneas como eczemas, impingem, herpes ou quaisquer doenças relacionadas ao sangue. Faz-se o chá com suas folhas e flores, e pode-se reforçar aplicando compressas no local afetado. O que usar: flores e folhas.

FLOR-DE-CORAL - Erythrina corallodendron. O cozimento de suas cascas serve para combater as hepatites crônicas e as obstruções do fígado. O que usar: cascas.

FRUTO DE BICUÍBA - Nos reumatismos. Na asma, faz declinar seus acessos. FUNCHO - Erva doce - Anis Anethum foeniculum; Foeniculum dulce. São estimulantes, depurativos, carminativos, usados em cólicas e na eliminação de gases intestinais em crianças. Também nos males do intestino, obesidade, cãibras, reumatismo, diabetes, olhos, memória, nas mordeduras de cobras e escorpiões, e estimula a secreção láctea. Sua raiz é diurética e faz aumentar o leite das mães. O que usar: raiz e sementes.

As Plantas Medicinais «E»

As Plantas Medicinais «E» EMBAÚBA - O suco da raiz serve para tratar úlceras cancerosas. De suas folhas se faz um xarope que debela tosse, asma, gripes e coqueluche. Tonifica o coração, regularizando suas batidas. Provoca a urina.

ENDRO - Anethum graveolens-Pastinaca anethum Para dispepsias, cólicas, arrotos, flatulências e hiperacidez estomacal usam-se as sementes em infusão. Externamente, nas inflamações dos olhos, pode-se aplicar compressas embebidas com o chá das sementes; já os banhos de vapor tiram as dores da matriz. O endro também pode ser fervido em azeite de oliva para ser aplicado quente sobre furúnculos, amadurecendo-os e retirando a dor. O que usar: sementes.

ERVA CIDREIRA - Melissa Melissa officinalis - Cymbopogon citratus Indicada contra as doenças do estômago, nervos, insônia, dores, desmaios, resfriados, gases, epilepsia, enxaquecas, má circulação do sangue, palpitação do coração e vertigens. Extremamente usada como calmante. Dores de dente podem ser aliviadas bochechando-se com um pouco de seu chá quente. Seu chá, morno, também pode ser utilizado em lavagens intestinais, com grandes resultados nas diarréias com sangue. Externamente, pode-se aplicar folhas frescas de erva-cidreira sobre as pálpebras, acalmando as dores em olhos inflamados. Cataplasmas quentes aplicados sobre o ventre acalmam toda classe de dores do intestino, fígado, matriz e estômago. Banhos com esta erva possuem propriedades calmantes. O que usar: flores e folhas frescas. Compressas: feridas. Banho: calmante.

ERVA COBRE - Guaco - Erva-de-cobra - Coração-de-Jesus Mikania cordifolia Em banhos, é empregada contra gota e reumatismo. Externamente, pode-se empregar o suco das folhas, em fricções, nos casos de nevralgias, contusões, gota e reumatismo, sobre as partes doloridas. O que usar: planta.

ERVA DE BICHO -

OBS: É considerada abortiva, não sendo recomendada para mulheres em gestação. Forma de uso : Para afecções das vias urinárias, erisipelas, eczemas, varizes, fragilidade capilar, e como estimulante da circulação, a literatura recomenda o seu chá preparado adicionando-se água fervente em 1 xícara (de chá) contendo 1 colher (de sopa) de folhas e ramos picados, na dose de 1 xícara (de chá), 3 vezes ao dia. Recomenda-se também para seu uso externo, em aplicações locais de seu chá concentrado contra afecções da pele, feridas e úlceras varicosas, e na forma de banho de assento, contra hemorróidas, e como cataplasma, nos casos de reumatismo, artrites e dores musculares. Em banhos, contra hemorróidas, coceiras e dermatoses. Cozinha-se a planta.

Fonte - http://www.cultivando.com.br: ERVA-DE-BUGRE- Erva de lagarto - Erva de teiú - Língua de teiú - Café-bravo Casearia sylvestris; Samyda sylvestris Depurativa do sangue, sendo usada contra sífilis, moléstias da pele e nas hidropisias. O que usar: folhas e raiz.

ERVA-DE-COBRA - Guaco - Erva-cobre - Coração-de-Jesus Mikania cordifolia Em banhos, é empregada contra gota e reumatismo. Externamente, pode-se empregar o suco das folhas, em fricções, nos casos de nevralgias, contusões, gota e reumatismo, sobre as partes doloridas. O que usar: planta.

ERVA DE LAGARTO - Indicado contra sífilis, reumatismo, coceiras e feridas rebeldes. Posologia e modo de usar: contate-nos ERVA DE PASSARINHO - Nas hemoptises, pneumonias, bronquites, dores e pontadas no peito.

ERVA DE SANTA LUZIA - Erva-andorinha Euphorbia brasiliensis Fornece uma boa cataplasma para curar úlceras crônicas e feridas velhas. Nas inflamações dos olhos. O que usar: folhas machucadas.

ERVA DE SANTA MARIA - Vomiqueira - Erva formigueira Chenopodium ambrosioides Poderoso vermífugo, também combate as doenças nervosas, hemorróidas, varizes, dores e indigestões. Emenagogo. O que usar: tintura, sementes, flores e folhas. Folhas e sementes - Infusão e tintura: na tuberculose, bronquite, tosse, e como diurético e calmante. Sumo: vermífugo.

Entre seus poderes mais difundidos está o de expulsar parasitas intestinais (comprovado cientificamente - cerca de 60% de seu óleo essencial é composto por ascaridol que age contra Ascaris lumbricoides - mas em grande quantidade pode ser tóxico e hoje há anti-helmínticos mais eficazes e seguros), aliviar cólicas, diminuir gazes, estimular o apetite, melhorar a digestão, curar picada de insetos, bronquites, úlceras e tantos outros males.

ERVA DE SÃO JOÃO - Catinga de Bode Nas tosses, bronquites, gripes e resfriados, diarréia, cólicas, gases, reumatismo. O que usar: folhas.

Essa erva é usada com mais frequência no tratamento da depressão, mas também tem uso tópico (diretamente sobre a pele) no caso de problemas de pele, inclusive eczema. Ela contém uma substância chamada hipericina que se acredita ter propriedades anti-inflamatórias

ERVA-DO-CAPITÃO - Barbarosa - acariçoba - acaciroba - acaricaba Hydrocotyle umbellata - Hydrocotyle bonariensis Esta erva é aperiente, desobstruente, diurética e tônica. Usa-se sua raiz em decocto no combate às afecções do baço, fígado e intestino, diarréia, reumatismo e sífilis. Suas folhas só devem ser usadas externamente, e nunca internamente, pois afirma-se que são venenosas. Na aplicação externa, no combate às sardas e outros tipos de manchas de pele, a planta toda é usada em decocto. O que usar: planta.

ERVA DO FÍGADO - Usada nos distúrbios do fígado e baço. Hepato protetora. ERVA DOCE - Funcho -Anis São estimulantes, depurativos, carminativos, usados em cólicas e na eliminação de gases intestinais em crianças. Também nos males do intestino, obesidade, cãibras, reumatismo, diabetes, olhos, memória, nas mordedura de cobras e escorpiões, e estimula a secreção láctea. Sua raiz é diurética e faz aumentar o leite das mães. O que usar: raiz e sementes. Posologia e modo de usar: contate-nos ERVA DUTRA - Mikania martusiana Para abscessos internos, anginas, diarréia rebelde, hemoptises, rouquidão e vômitos. O que usar: folhas e talos.

ERVA GROSSA - Nas tosses e bronquites. Também usada para dissolver cálculos renais. ERVA MACAÉ - Nos vômitos e embaraços gastrintestinais. Nas diarréias de crianças. ERVA MATE - Ilex paraguayensis / brasiliensis Reanima as forças corporais e cerebrais. Dá resistência à fadiga, ativa a circulação, excitante, tonificante, diurético, digestivo, laxante. Na dispepsia, e nos distúrbios estomacais e hepáticos. O que usar: folhas.

ERVA MOURA - Carachichu - Maria preta - Pimenta-de-galinha - Guaraquinha Solanum nigrum - Solanum crenato dentatum - Solanum hortense - Solanum inops - Solanum officinarum - Solanum pterocaubon - Solanum ptycanthum ATENÇÃO: USO EXTERNO. Em cataplasmas, é boa para combater tumores inflamatórios, furúnculos, panarícios e queimaduras. O chá feito com o cozimento de suas folhas é bom para lavar partes inflamadas, irritadas ou dolorosas. Pode-se aplicar suas folhas, frescas, machucadas, sobre feridas e úlceras. O que usar: folhas frescas.

ERVA POMBINHA - Possui propriedades diuréticas e desobstruentes, indicada para eliminação de cálculos renais e biliares.

ERVA SILVINA - Nas hemoptises, nas diarréias sanguinolentas e na tosse de tuberculosos.

ERVA TOSTÃO - Agarra-pinto - Amarra-pinto - Pega-pinto - Tangaraca - Bredo-de-porco. Boerhaavia hirsuta Indicada contra inflamações da bexiga, congestões do fígado, cálculos biliares, icterícia e ingurgitamento do baço, além de combater o nervosismo. Age, de forma suave, como diurético nos rins. O que usar: sementes, raiz e folhas.

ESPINHEIRA DIVINA - Nas dores do estômago. Laxativo. ESPINHEIRA SANTA - Salva-vidas - Espinho de Deus Maytenus hicifolia Obs: Não utilizar durante a amamentação Cicatrizante e desinfetante. É, ainda, boa para os rins, pois acalma as dores e neutraliza o ácido. Nas úlceras, gastralgias e dores de estômago. O que usar: folhas. Infusão das Folhas: analgésica, desinfetante, cicatrizante, dores, gastrite, úlcera, propriedades laxantes, e diuréticas. Sumo: feridas, acne, eczemas.

ESTIGMA DE MILHO - Barba de milho Diurético. Nos cálculos renais.

Em chá de cabelo de milho,a sabedoria antiga das nossas vovós nos ensina sobre isso. O cabelo de milho são os fiozinhos amarelos ou amarronzados que ficam na ponta da espiga de milho. Ele é conhecido em várias partes do Brasil por “barba de milho” ou “estigma de milho”. O cabelo de milho é diurético e o chá auxilia no problema da retenção de líquidos que incomoda muita gente. Também em forma de chás é indicado para potencializar o emagrecimento.

Modo de fazer o chá de cabelo de milho: Ingredientes: 1 e 1/2 colher (sopa) de cabelo de milho e 500 ml de água filtrada. Preparo: Leve tudo no fogo para ferver. Quando ficar morno, coe e beba. * Quantidade Recomendada :-1 xícara (chá) a cada 12 horas (no período de retenção). OBS:Pessoas com dificuldade de urinar por conta de inflamações na próstata devem evitar esse chá porque pode agravar a dor. O chá de cabelo de milho, elimina o ácido úrico, dissolve areias e cálculos renais, diminui dores, purifica o sangue, diurético, combate infecções de vesícula dos rins e da bexiga, segundo a Faculdade Unioeste. EUCALIPTO - Eucalyptus globulus É anticéptico e antiespasmódico.

Combate febres, gripes, diabete, bronquite, asma, gangrena pulmonar, males da bexiga e das cadeiras. O óleo das folhas pode ser usado nos casos de asma e bronquite (inalação), e ainda como cicatrizante e desinfetante (chá). A decocção das folhas também pode ser usada nos casos de bronquite, febre, estomatite, faringite, gripe, resfriado, tosse, sedativo, desinfetante, sudorífero. O que usar: folhas verdes.

As Plantas Medicinais «D»

As Plantas Medicinais «D» DENTE-DE-LEÃO - Taraxaco Taraxacum officinale - Taraxacum deus leonis - Leontodon taraxacum Excelente depurativo do sangue, e é um bom remédio contra as enfermidades do fígado, especialmente a icterícia. Nas hidropisias, o dente-de-leão se manifesta como um eficaz diurético. O que usar: Flores, folhas e raiz. Flores, folhas e raiz em Saladas: depurativo do sangue, fígado. Decocção e infusão: depurativo, hidropisia, afecções do fígado, acidose, icterícia, diabetes. Sumo das folhas: cálculos renais e fígado. Posologia e modo de usar: contate-nos DOURADINHA - Douradinha verdadeira - Douradinha dos campos Walteria douradinha - Stemodia armaria Nas doenças de pele, furunculoses e equizemas, coceiras, feridas, ácido úrico. Depurativo e diurético. O que usar: tintura e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos DRIMIS - Tônico estomático e antiescorbútico. O que usar: tintura. Posologia e modo de usar: contate-nos

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Fitoterapia com a Letra C

Capim.Tiririca Junça/Tiririca - Cyperus esculentus e Cyperus rotundus Cyperus rotundus - fonte Wikipedia

A floração avermelhada distingue esta espécie, muito semelhante à C. esculentus, no alto, que possui floração amarelada.

Duas plantas espontâneas, normalmente tidas como daninhas em plantações: Cyperus esculentus é comestível e de altíssimo valor nutritivo, antioxidante, e fortalecedora do sistema imune; a outra, C. rotundus, é medicinal de muitos usos tradicionais (como alivio da febre e inflamações, e no combate à infecções e vermes). Além de tudo isso, elas são indicadoras de baixa qualidade do solo (solos desestruturados e ácidos, onde não é fácil plantar).

- Nomes científicos: Cyperus esculentus L.(inflorescências amareladas) e Cyperus rotundus L. (inflorescências avermelhadas)

- Nomes populares: Junça, junca, junco, chufa, tiririca, tiriricão.

- Família: Cyperaceae

- Região de Origem: Egito e Índia (centros de domesticação), respectivamente. - Ervas eretas, perenes, com hastes triangulares. Medem até 60 cm. Folhas estreitas, em forma de ponta. Além das diferenças na coloração das inflorescências, C. esculentus também possui tubérculos globosos ("coquinhos") nas extremidades das raízes, alguns centimetros abaixo do solo. Veja um exemplo na primeira foto, que mostra um pequeno coquinho de uma planta ainda jovem. Estes coquinhos podem ficar bem maiores.

Infelizmente, boa parte da agrônomia moderna se dedica a eliminar estas plantas, famosas e antigas inimigas das plantações. Porém quem começou a inimizade não foram elas, fomos nós. Antigas civilizações (o Egito Antigo e a Índia Ayurvédica) domesticaram estas plantas por causa de suas enormes utilidades, e elas se deram tão bem em áreas cultivadas que hoje resistem em serem expulsas destas, o que deveríamos agradecer, ao invés de simplesmente demonizá-las como "daninhas" e aumentar o uso de agroquímicos.

A primeira, mais conhecida como junça (no Nordeste) ou chufa (na Espanha, onde ainda é cultivada), é mais famosa pela sua qualidade nutricional do que seus usos medicinais (embora também possua diversas propriedades curativas, algumas similares as de sua espécie-irmã, que falaremos adiante). Os tubérculos, escondidos no solo, são grandes e nutritivos, e diz-se que têm gosto de coquinho. São riquíssimos em açúcares, proteínas e gorduras: as análises nutricionais mostraram que a ingestão de 150 a 200 gramas destes tubérculos já é suficiente para atender as necessidades nutricionais de uma pessoa adulta em termos destes nutrientes (ficam faltando apenas vitaminas, água, e sais minerais). Além de tudo isso, ela possui substâncias oxidantes, e seu consumo fortalece o sistema imunológico. É uma planta tão espetacularmente nutritiva que têm se considerado usá-la como alimento de astronautas em órbita.

A segunda espécie, conhecida mais como tiririca (embora este nome seja aplicado às duas espécies), possui maior fama como planta medicinal (quer dizer, quando não está sendo tratada como praga). Como falei na introdução, possui muitos usos tradicionais, principalmente no alivio de febres e inflamações e no combate à infecções (apresenta propriedades anti-microbianas). Possui também propriedade vermífuga, ou seja, é um veneno para os vermes que nos incomodam. É famosa na Índia, local de sua domesticação original, pelo seu emprego na medicina ayurvédica. Têm sido muito estudada científicamente, e diversos de seus usos tradicionais têm se confirmado.

Estas duas plantas, muito parecidas em quase todos os aspectos, nascem espontâneamente e são facilmente encontradas pelos campos. Aparecem em maior quantidade nos campos deteriorados, de modo que indicam a qualidade do solo (no caso, a falta de qualidade do solo, que se tornou desestruturado e ácido, muitas vezes por conta de atividades humanas inadequadas) e ao invés de serem chamadas de "benção", são chamadas de mato, "plantas daninhas", e gasta-se muita energia para tirá-las dos campos e plantar com dificuldade qualquer outra coisa menos nutritiva ou saudável no lugar. Com certeza, temos um problema muito grande de vocabulário aqui: não são elas quem são "daninhas".

Referência: “Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Carqueja (Baccharis trimera)

Esta é uma planta da qual realmente dá gosto de falar, pois possui inúmeras qualidades terapêuticas. A carqueja é uma planta nativa da América do Sul, encontrada desde o norte, na Amazônia, até nos pampas argentinos. No Rio Grande do Sul ela chega a ocupar todas as regiões de banhados, ou sejam, as regiões baixas como as várzeas. A incidência é tão grande que causa uma série de problemas, como deixar um gosto amargo no leite, se o gado consumir a carqueja por falta de pasto, ou ainda deixar o mel amargo quando as abelhas, por falta de flores de outras plantas, recorrem às da carqueja. Já no restante do Brasil a incidência não é tão intensa, sendo encontrada mais em regiões baixas, beiradas de córregos ou qualquer região mais úmida. A carqueja é uma planta herbácea que possui suas folhas aderidas ao caule e não possui bainha foliar. A planta macho atinge cerca de 1 m de altura, mas a planta fêmea pode atingir até 2 m, possuindo um caule bem mais lignificado, ou seja, mais grosso e mais firme. Suas folhas são pequenas e de coloração branca levemente puxada ao creme. De sabor extremamente amargo não tem como ser confundida. Existem outras variedades de carqueja, inclusive de folhas menores e bem menos amargas, denominadas de "carquejinha doce", mas de eficácia terapêutica bem inferior à da carqueja amarga. O cultivo produz uma carqueja de extrema qualidade, proporcionando um resultado excelente. Já a coletada no campo não produz uma erva de qualidade, devido basicamente à falta de higiene e conhecimento dos coletores. É muito comum os agricultores do Rio Grande do Sul roçarem os pastos, principalmente os banhados, e deixarem secar ao sol. Isto irá proporcionar uma erva de péssima qualidade, de cor amarronzada, praticamente sem valor terapêutico. Esta é a droga que os atacadistas de São Paulo recebem para distribuir para os laboratórios e farmácias. As qualidades terapêuticas da carqueja são inúmeras, sendo muito empregada pela população de toda a América do Sul. Planta praticamente atóxica nas dosagens usuais, pode provocar alguns distúrbios em quantidades exageradas. Possui uma leve ação diurética, sendo utilizada em regimes de emagrecimento. Algumas pessoas utilizam para o controle da taxa da glicose em casos de diabetes, mas ainda não existe nenhum trabalho científico comprovando esta aplicação, mas temos muito resultados para problemas de fígado. A carqueja é uma planta com uma ação hepatoprotetora muito boa e indicada nos casos de má digestão e problemas do fígado em geral. Quando comemos ou bebemos um pouco além de nosso limite, sobrecarregamos o nosso fígado e aí passamos a sentir dor de cabeça, irritabilidade, insônia, boca amarga e às vezes dor pelo corpo todo. Nestes casos, nada melhor do que um Extrato Fluido de Carqueja pelo menos umas três ou quatro vezes ao dia, ou então um chá bem morno após cada refeição. Faça este tratamento pelo menos por uns três meses e depois suspenda. Uma outra situação muito boa para empregar a carqueja é nos casos de pedra na vesicular biliar. Esta planta possui uma capacidade de aumentar a produção e a liberação de bile, inclusive fluidificando-a. Não recomendamos nos casos de mães que estejam amamentando, pois o leite materno pode se tornar levemente amargo. Ademar Menezes Juniorhttp://www.oficinadeervas.com.br Caruru

Fonte: Wikipedia Planta comestível e medicinal (aumenta a lactação, emoliente, diurética, e combate infecções de pele). Também indica solos férteis (com muita matéria orgânica e relativamente sombreados).

Diversas espécies do gênero Amaranthus são chamadas de 'caruru' (ou 'bredo', ou 'amaranto') e possuem propriedades semelhantes. Alguns exemplos são: Amarantuhs viridis L.: caruru de mancha, caruru pequeno, caruru de porco. (foto) Amaranthus hibridus L.: bredo vermelho, caruru bravo, caruru roxo, chorão, crista de galo.

Amaranthus spinosus L.: bredo, bredo de chifre, bredo de espinho, caruru bravo, caruru de espinho, caruru.

Família: Amaranthaceae

Centros de origem: Algumas espécies são da Europa, outras da América Tropical (trazidas pelos povos europeus, aparentemente se hibridizaram, naturalizaram, e formaram novas espécies).

Plantas eretas, podem chegar a cerca de 1 metro de altura ou mais. Possuem flores muito pequenas, esverdeadas, dispostas nas hastes terminais. Caule é uma haste grossa e um tanto carnosa. Algumas possuem espinhos junto às axilas dos caules e folhas. Outras exibem colorações variadas no caule.

As folhas, flores e sementes, podem ser consumidas em saladas, ao natural, mas também podem ir junto das hastes (caule) em refogados muito deliciosos ou outras receitas. As folhas de diferentes espécies de caruru tem gostos diferentes, algumas mais ou menos amargas que outras. A escritora do blog "Come-se", Neide Rigo, traz mais alguns comentários sobre estas plantinhas, e ainda divide algumas receitas. O blog dela é muito bom, recomendo imensamente. (Come-se: quiche-de-caruru, Come-se: caviar-de-amaranto.)

Outra questão: aparentemente nas idas e vindas destas plantas pelos continentes (não foram poucas), eles acabaram sendo referência de um prato típico baiano, embora ele hoje não seja mais preparado com caruru (Wiki: Caruru prato). Sendo plantas que foram tão utilizadas, porque sumiram da mesa brasileira? Isto é ainda mais intrigante quando se sabe que são plantas altamente nutritivas, ricas em ferro, potássio, cálcio, e vitaminas A, B1, B2 e C. Além, também aumentam a lactação. Alguns de seus efeitos medicinais (abaixo) podem ser sentidos, positivamente, na ingestão comum do caruru como alimento. Repito: por que não comemos mais caruru?

Não é uma resposta, mas algo "negativo" sobre o caruru é que algumas espécies possuem manchas escuras no centro das folhas. Estas manchas são simplesmente marcas genéticas, não oferecem nenhum mal. São uma estratégia da espécie para evitar predação por herbívoros, que associam este tipo de marca a plantas doentes e não adequadas para alimentação (o que é uma suposição inteligente).

Os carurus também são plantas medicinais de uso bastante amplo. As raízes são usadas externamente contra infecções de pele. Raízes e folhas são eficazes no combate à gonorréia, e também são bons como emolientes (cremes para hidratar a pele). Folhas são diuréticas (como o álcool: aumentam o volume de urina) e laxantes. Além disso, como já comentei, qualquer uso de qualquer parte da planta aumenta a lactação. Não é difícil encontrar receitas para estes usos pela internet, mas se alguém preferir maior garantia e tiver algum interesse em particular, eu posso colocar online receitas dos livros de referências.

Última questão destas plantas. Como outras plantas daninhas, os carurus dão algumas informações sobre o solo em que estão nascendo espontaneamente (indicadoras de qualidade do solo). E aprendemos a identificar o que dizem: que tal solo é fertil, com grande quantidade de matéria orgânica e potássio; e é moderadamente bem sombreado, o que a maior parte das plantas prefere. Características boas para maior parte dos plantios.

“Plantas daninhas do Brasil – terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas”, Harri Lorenzi. 4ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

“Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Caruru é a designação comum a certas plantas do gênero Amaranthus, da família das amarantáceas, algumas de folhas comestíveis, bastante utilizada em culinária. A maioria delas é invasora de plantações. O caruru é também conhecido como bredo na região da Bahia e utilizado na culinária local, reservando-se o termo “caruru” ao prato preparado com esta planta.

O caruru é uma planta nativa das Américas, foi a primeira vez conhecido pelos europeus através dos Maias no México. Na cultura brasileira estudiosos acreditam que foi culturalmente introduzido pelos africanos: admite-se que a cozinha africana tenha influenciado a culinária brasileira. Foram comparadas a culinária do Daomé nagô e da Nigéria ioruba com a cozinha baiana. Foram recíprocas as influências. Cita-se o caso do caruru de origem indígena, preparado com bredo, outra planta do gênero Amaranthus e que, levado para a África incorporou o quiabo, planta africana, tendo, então, o caruru retornado modificado, para o Brasil.

Todas as partes do caruru são comestíveis. É um alimento rico em ferro, potássio, cálcio e vitaminas A, B1, B2 e C. Tendo funções medicinais como lactígeno, combate também infecções, problemas hepáticos, hidropsia e catarro da bexiga. As sementes podem ser ingeridas torradas ou em pães e outras receitas.

www.informacaonutricional.blog.b

Capuchinha - Trapaeolum majus

Um delicioso complemento para saladas, seja com suas flores ou suas folhas. E uma planta medicinal de renome, e de grande praticidade (útil como anti-séptica, diurética, e no tratamento de afecções pulmonares ou das vias urinárias). Também usada para proteger outras plantas de herbívoros em hortas. - Nome científico: Trapaeolum majus L. - Nomes populares: Capuchinha, capuchinho, mastruço-do-peru, flor-de-sangue, agrião-do-méxico, chagas, chaguinha, nastúrcio, flor-de-chagas, capucine, cinco-chagas, agrião-da-índia. - Família: Tropaeolaceae - Região de origem: Américas (montanhas do México e Peru) - Erva aromática, de ramos carnosos. Chega a 2 metros de comprimento. Folhas de forma semelhante à "discos" (minha interpretação). As flores são solitárias, surgindo em tons amarelados, avermelhados, alaranjados ou mesmo brancas. A capuchinha é uma das mais deliciosas plantas que já provei, com toda certeza. O gosto lembra o de um agrião ou de uma rúcula forte. Tanto as folhas quanto as flores são comestíveis in natura, ótimas para saladas. O aroma também é muito agradável. Por isso e pela exuberância multicor de suas flores, as capuchinhas são muito utilizadas em paisagismo (coisa que eu não seria capaz de fazer, visto que comeria todas as flores à vista...). Ela é tão atrativa que mesmo a fauna nativa não deixa de saboreá-la sempre que pode. Em alguns hortos (como o horto de onde tirei esta foto), as capuchinhas são plantadas na entrada, com o objetivo de evitar que calangos ou outros animais comam as demais plantas, já que eles conseguem se satisfazer facilmente comendo destas folhas. Funciona, e mesmo com esta predação a planta vai bem, e nossas saladas não ficam comprometidas. Um exemplo de planta que sabe lidar muito bem com a herbivoria. Os herbívoros agradecem. Medicinalmente, é utilizada como anti-séptica, ou seja, no tratamento de feridas, evitando infecções. Também é famosa no tratamento de afecções pulmonares, para as quais existe uma infusão simples a base de leite e capuchinhas: mistura-se 2 colheres (sopa) de folhas frescas e amassadas em pilão com 1 xícara (chá) de leite quente. A infusão é tomada ingerindo-se 1 xícara (chá), após ser coada, 2 vezes por dia. Já o chá feito com água, com uma colher (sopa) de folhas picadas (tanto frescas quanto secas, neste caso), serve como diurético e no tratamento de infecções nas vias urinárias. Mas as propriedades desta planta não param por aqui, sendo referenciada inclusive em uma receita para o fortalecimento do couro cabeludo, estimulando crescimento e prevenindo queda de cabelos. Também é empregada no tratamento de escorbuto. Os exemplos não parariam. Quem se interessar por mais informações, basta pedir. Só não deixem de provar esta iguaria se tiverem a oportunidade. Referência:http://vida-nos-bosques.blogspot.com.br “Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Fitoterapia com a Letra B

Babosa(Aloe vera) – Planta feminina regida pela Lua e pelo elemento Água. Ter a babosa plantada no jardim afasta a negatividade, e protege contra acidentes domésticos. O sumo de suas folhas é excelente para tratar queimaduras: basta aplicar sobre o local afetado (mas não saia debaixo do Sol com o sumo de babosa sobre a pele). O sumo da babosa é comprovadamente cicatrizante e antimicrobiano, sendo muito recomendada sua aplicação direta sobre ferimentos. Basta cortar a folha, e passar o gel ("mucilagem") dela sobre a ferida ou queimadura. Algumas pessoas, todavia, recomendam retirar com água antes o gel amarelo e utilizar apenas o gel transparente (não é difícil distinguir as diferentes mucilagens da planta). Eu tive bons resultados nos dois casos. Além disso, a planta é muito utilizada para tratar cabelos, sendo utilizada em cosméticos industriais e artesanais.

A babosa é uma planta comestível, inclusive muito rica em sais minerais. Mexicanos comem ela na salada. Na Venezuela, a mucilagem de babosa é parte do café da manhã, misturado com mel. Porém, ela é de um gosto extremamente forte e amargo, devido ao alto teor químico (alguém acompanha os mexicanos quando eles colocam "um pouquinho" de pimenta na comida?). Recomendação: experimente não com um pouco, mas com uma boa porção de mel junto do pedaço de babosa. Fica uma delícia. Só não exagere na dose, mesmo se você estiver acostumado, para não ter distúrbios pelo excesso de algum nutriente (sim, isso é possível, no caso de alguns sais minerais). Claro que estes distúrbios só podem ocorrer se você comer pedaços grandes de babosa todo dia.

Algo interessante da biologia da babosa é que sua química é das mais visivelmente influenciadas pela umidade e pela exposição ao sol. Dependendo destas variáveis, ao ser cortada ela pode exalar cheiro mais ou menos forte, e maior ou menor quantidade de mucilagem. Infelizmente eu nunca sistematizei minhas experiências com babosa, então não posso dar mais detalhes.

Mas algumas pessoas sistematizaram. E pelo menos uma com um fim muito nobre: tratar câncer. O último uso de babosa que vou citar hoje é uma receita, elaborada e melhorada pelo Frei Romano Zago, relatada em seu livro "Câncer têm cura!" (ver referências). Eu nunca experimentei a receita, porém muitos conhecidos, principalmente por intermédio de minha mãe, que divulgou entre os amigos a receita, alegaram ter se curado completamente usando a planta. Esta mesma receita pode ser tomada por pessoas saudáveis pelo menos uma vez ao ano, como tônico e rejuvenescedor, e para prevenir câncer.

Atenção:

- Colher a babosa de preferência de madrugada, antes do nascer do sol, e após 5 dias sem chuva (3 dias, pelo menos). Não colher com orvalho (para evitar o orvalho, colher a planta no meio da noite). Colher logo após o pôr-do-sol não é bom, pode-se colher parcialmente a química diurna da planta, que não é a desejada.

- Recomenda-se que o pé tenha alguns anos de vida.

- Preparar o remédio logo após a colheita. Tanto a colheita quanto a preparação é ideal que sejam feitos ainda longe da luz solar, no escuro. Separe recipientes opacos para guardar o preparado final. Não lave a babosa com água! Use um pano seco ou uma esponja seca para remover qualquer poeira que exista nas folhas antes de começar.

Ingredientes

- Duas, três, ou quatro folhas de babosa (duas, se tiverem 50cm, três se tiverem 35cm, quatro, se tiverem 25cm), de modo a completar aproximadamente 1 metro, em fileira.

- Meio quilo de mel de abelha (evitar mel artificial, refinado, ou outras falsificações).

- 40 a 50 ml de bebida destilada (cachaça de alambique, uísque, conhaque, etc.; não entram álcool puro, vinho, cerveja, licores).A quantidade que cabe em uma pequena xícara de café.

- Não precisa ser apegado as estas medidas. Precisa sim ser apegado em colher em tempo seco e à noite!

Preparo

- Corte a babosa primeiro tirando os espinhos com uma faca afiada, depois picando em cubos. - Tudo para liquidificador. Misture todos os ingredientes bem, até virar um creme esverdeado. Está pronto. - Guarde em um recipiente tampado e opaco, como um vidro escuro, e na geladeira, evitando a luz.

Como tomar:

- Três vezes ao dia, ao fim do jejum antes de cada refeição, tomar uma ou duas colheres do preparado. - Tomar por 10 dias, então não tomar por pelo menos outros 10 dias, antes de tomar por outros 10 dias, assim sucessivamente, até a cura. Quem estiver tomando como tônico, tomar apenas a primeira série de 10 dias, e a seguinte, se desejar, apenas após alguns meses.

Obviamente, não é necessário parar outros tratamentos para tomar o preparado de babosa. E este em nada afeta os outros tratamentos. (a menos, é claro, na possível obtenção de uma cura mais rápida)

Referências:

“Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. “Câncer tem cura!”, Frei Romano Zago, OFM. 11ª Edição, Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1997. AVISO GERAL: Sempre que utilizar plantas medicinais, certifique-se de colher a espécie correta, e que a planta esteja saudável e tenha crescido em bom solo. Ou seja: evite plantas próximas à esgoto, lixo, sujeira, etc. Evite plantas com sinais de predação por insetos ou fungos. Não utilize produtos agroquímicos sobre plantios de finalidade medicinal. Leia atentamente as dicas e recomendações, no mundo biológico todo detalhe é importante.Parte do texto:http://vida-nos-bosques.blogspot.com.br

Bambu

(Bambusa vulgaris) – Planta masculina regida pelo Sol e pelo elemento Fogo. É consagrada a Apolo, Athena e Iansã. Seu poder está ligado à proteção, ao exorcismo, à realização de desejos e ao lançamento de maldições. Bambu em pó deve ser queimado como incenso sempre que necessitar de proteção.

Iguaria extremamente valorizada pela cultura japonesa e seus admiradores, o broto de bambu, além de extremamente saboroso, é capaz de trazer incontáveis benefícios para a vida e a saúde das pessoas que o consomem. O bambu tem muitas utilidades, sendo que o mesmo era utilizado na fabricação de diversos produtos, devido à resistência de suas fibras, como varas de pescar, pipas, arco e flecha e até mesmo móveis, por exemplo. Já o broto de bambu faz parte da dieta dos povos do oriente (indianos, japoneses e chineses, entre outros) há muitos séculos, sendo que do mesmo se origina uma imensa variedade de pratos tradicionais destes povos, desde frituras e assados a cozidos e saladas. Entretanto, os benefícios desta planta ultrapassam o limite do sabor, sendo que a medicina está a cada dia fazendo descobertas do que o broto de bambu é capaz. Há muito tempo já se sabe que o broto de bambu é muito rico em nutrientes, tais como proteína vegetal, cálcio, aminoácidos, fibras, fósforo, e vitaminas B1, B2 e C. O broto de bambu pode ser utilizado em conserva também. Um uso bem comum do mesmo é no preparo de refogados com manteiga, temperos e cheiro verde, ou mesmo consumido junto com carne de frango, de boi ou de porco. Se o seu consumo já seria indicado por causa de todos os nutrientes presentes no mesmo, também há o fato de que o broto de bambu possui propriedades medicinais acuradas. É indicado para tratar problemas na digestão, em virtude de estimular os movimentos do estômago e do intestino, além de ser utilizado na prevenção de doenças cardiovasculares, como anti-hemorrágico, no combate a epilepsia em crianças, para diminuir a gordura corporal e a pressão sanguínea. Não bastasse tudo isto, as folhas do bambu ainda podem ser utilizadas para tratamento da tosse. O broto de bambu também é utilizado no combate a desnutrição em países pobres, devido à facilidade de encontrar o mesmo na natureza e ao alto valor de nutrientes presentes no mesmo. O broto de bambu pode ser utilizado tanto na alimentação dos homens quanto dos animais, assim como adubo para hortas e demais plantações. O broto de bambu pode fazer muito pela sua saúde, e, ao contrário de remédios, ele é extremamente saboroso, sendo que nutre a pessoa sem “entupi-la” de coisas que ela não necessita, como é o caso de remédios sintéticos. Por isso, para sempre prevenir o aparecimento de qualquer doença, é importante alimentar-se bem, com alimentos nutritivos, o broto de bambu entre eles.http://www.dicasgratisbrasil.comFonte Bom apetite!

Beldroegas

Um grupo de investigadores da Faculdade de Engenharia e Recursos Naturais da Universidade do Algarve, em Portugal, está a desenvolver um estudo para demonstrar que o consumo regular de beldroegas é benéfico para a nossa saúde. A planta que em tempos foi muito consumida, principalmente no sul do país onde é mais vulgarmente plantada, pode ser usada em sopas, saladas ou chás. É a planta terrestre mais rica em omega 3 e pode ajudar a prevenir doenças como o colesterol e a diabetes. Existem duas variedades de beldroegas, uma de folha dourada, a mais indicada do ponto de vista alimentar, e uma de folha mais pequena e verde.

"Daninha" de grande sabor e grande qualidade nutricional e medicinal. Cresce em terrenos baldios, e em solos agrícolas, onde é combatida, quando na verdade trata-se de uma planta que deveria ser muito bem recebida.

- Nomes científicos: Portulaca oleracea L.

- Nomes populares: Beldroega, caaponga, porcelana, bredo-do-porco, verdolaga, beldroega-pequena, beldroega-vermelha, beldroega-da-horta, salada-de-negro.

- Família: Portulacaceae

- Região de origem: Norte da África, provavelmente.

- Erva pequena, de ciclo anual e que cresce rente ao chão. Suculenta (folhas e ramos). Possui flores pequenas, amarelas, e frutos em cápsulas pretas ainda menores, difíceis de ver, com sementes pretas e brilhantes. Possui variações, principalmente no cultivo para ornamentação, com flores maiores e de várias cores. No norte do Brasil ocorre também a espécie P. pilosa, que possui características e propriedades semelhantes à esta.

Mais um exemplo de planta detestada pelos agricultores modernos, que preferem optar por trabalho duro ao invés de apenas viver com simplicidade. As beldroegas são comestíveis, podem ser comidas inteiras e cruas, sendo que os talos e folhas são ótimos em saladas. E ainda existem algumas receitas de refogados com esta planta (infelizmente sou péssimo na parte de culinária, fico devendo nesse quesito). É uma planta que gosto de comer in natura mesmo, aproveitando o sabor único, bem leve.

Nutritivamente, esta planta é muito rica em potássio e omega-3, hoje em dia tão comentado, importante no fortalecimento do sistema imune e circulatório. Isso além de outros nutrientes e moléculas próprias que atuam de modo bastante sinérgico com nosso organismo.

Medicinalmente, pode-se dizer, em poucas palavras: antibacteriana, antiinflamatória, vermífuga, diurética, emoliente, entre outras características. Traduzindo: combate infecções bacterianas, inflamações, vermes, e ajuda na digestão e no funcionamento dos rins. Basta incluir na dieta para já se aproveitar pelo menos em parte estes efeitos. Outra idéia simples é o uso das folhas em infusão, seja como tônico e depurativo do sangue (uso interno) ou como cicatrizante (uso externo). Mas tudo isso é ainda só uma parte do poder desta planta. Quem se interessar por mais, basta perguntar.

Referência:

“Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Imagens:

http://br.viarural.com/agricultura/plagas/ervas-daninhas/portulaca-oleracea-07.htm http://www.agroatlas.ru/en/content/weeds/Portulaca_oleracea/

AVISOS GERAIS: Sempre que utilizar plantas comestíveis ou medicinais, certifique-se de colher a planta correta, e que a planta esteja saudável e tenha crescido em bom solo. Ou seja: evite plantas próximas a esgotos, lixo, sujeira, etc. Evite plantas com sinais de muitos ataques por insetos ou fungos. Não recomendo o uso de produtos agroquímicos sobre qualquer planta, sejam plantações ou populações selvagens, para qualquer finalidade. Para plantas medicinais comerciais, o uso de agrotóxicos é proibido. Leia atentamente as dicas, recomendações, e receitas. No mundo biológico todo detalhe é importante. Fonte: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/502207-consumir-beldroegas-para-prevenir-doen%C3%A7as/#ixzz207xls2RS

A beldroega pertence à família das Portucala, que é composta por cerca de quarenta variedades, sendo a “Portulaca oleracea” considerada como a verdadeira beldroega, planta rasteira de folhas suculentas, é hoje em dia muito cultivada em várias partes do mundo, mas é a França o seu maior produtor e consumidor. Apesar de ser usada desde a antiguidade em várias partes do mundo, por vezes, as suas qualidades têm sido esquecidas.

É na Primavera e inicio do Verão, antes do florescimento que a planta tem o seu maior potencial gastronómico, quando as folhas e os talos estão mais tenros para consumo em cru, mas para utilização em pratos confeccionados (cozinhada) pode ser colhida durante todo o ano.

Corte os talos, mas não arranque a planta, pois ela volta a crescer rapidamente, pode ser consumida de imediato, ou seca em local ensombrado para utilização medicinal. Plantas Medicinais «B» BABOSA - Erva Babosa - Caraguatá Aloes humilis - Aloes perfoliata - Aloes vulgaris - Aloes bardadensis Deve-se utilizar com cuidado desta planta, quando para utilização interna, já que devido ao seu forte efeito, pode até mesmo provocar a nefrite. Use, de preferência, externamente. Usam-se, as folhas, como emolientes e resolutivas, aplicadas topicamente sobre inflamações, queimaduras, eczemas, erisipelas, queda do cabelo, e outros. Usam-se: folhas (polpa e seiva). Uso interno: estomáquico e laxante. Externamente - Sumo: anticaspa, antifúngico, antibacteriano, cicatrizante, repelente.

BACARIS - Bacharis Nas afecções gastrointestinais e hepáticas. Tônico eupéptico, febrífugo e antidiarréico. Usa-se: tintura.

BACUJÁ - Para as vias respiratórias, calmante, expectorante, tônico. Faz desaparecer as tosse rebelde; estimula o apetite. Sedativo, nas perturbações nervosas em geral. Associação: pode ser associada a Carpasina. Usa-se: tintura.

BAICURU - Emenagoga. Largamente usada nas inflamações de útero e ovários, corrimentos uterinos, dismenorréia. O que usar: tintura e planta. Posologia e modo de usar: contate-nos

BAMBÚ - Bambuza, guada. Febrífugo, anti-hemorrágico, afecções nervosas, hemorróidas, diarréias, disenteria, depurativo do sangue, impotência sexual. Parte usada: Brotos. Modo de usar: Pode ser consumido após o cozimento sob a forma de saladas ou como conservas. Dose: Entre em contato conosco para dosagem individual.

BANANEIRA - Além de o fruto ser um excelente alimento, a água de seu tronco cura icterícia, e o suco cura feridas e atua contra venenos. Diarréia, disenteria e tuberculose. Parte usada: Fruto e a parte de dentro da casca. A farinha da banana é considerada de alto teor nutritiva.

BARBATIMÃO - Uabatimó Stryphnodendron barbatimão - Mimosa virginalis - Acacia adstringens - Acacia virginalis Adstringente empregado em banhos e injeções no combate as afecções escorbúticas, blenorragia, diarréia, hemorragia e leucorréia, usando-se o chá de suas cascas. O que usar: tintura e cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BARDANA - Pega-massa - Orelha de gigante. Lappa officinalis - Lappa major - Lappa tomentosa - Arcticum bardana Diurético e depurativo, atuando contra as moléstias da pele. Usa-se o chá de suas raízes, flores e folhas. Reumatismo, moléstias venéreas, afecções da pele, tinhas (designação comum a várias espécies de infecções cutâneas superficiais fúngicas, cujo tipo específico está na dependência das características do agente causal. Defeito, mancha, mácula.) e perturbações do estômago. Externamente se usa como cataplasma. O que usar: flores, folhas e raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos

BATATA DE PURGA - Jalapa - Raiz-de-jeticuçu - Mechoacão - Mechoacão-do peru - Briônia-da-américa - Flor-de-quatro-horas - Ruibarbo-branco - Ipu, jalapa branca. »» Não usar em doses elevadas, pois a batata-de-purga, quando em altas doses, tem efeito venenoso. «« Emprega-se como depurativo do sangue, e na leucorréia (corrimento branco da vagina ou do útero), na diarréia, disenteria, fraqueza em geral, diarréia infantil, no período da dentição. Tem também propriedade de regularizar a menstruação. Atua sobre o aparelho gastrintestinal. Purgativo energético. Laxante nos casos de prisão de ventre. Nas moléstias da pele. Nas irregularidades menstruais. Combate as enterites das crianças, além de prevenir a meningite. Parte usada: Raiz, a fécula é vendida em farmácias como "goma de batata". Posologia e modo de usar: contate-nos

BATATA DE SUCUPIRA - No reumatismo crônico, fazendo com que as inchações e dores que acompanham a doença comecem a desaparecer logo após os primeiros dias de uso. Também no reumatismo gotoso e deformante, artritismo e ácido úrico. Usa-se: tintura. Posologia e modo de usar: contate-nos

BATATA-DOCE - O cozimento de suas folhas pode ser usado em gargarejos para combater as inflamações da boca e garganta, além de fazer bem aos rins. Tumores e inflamações, diarréias. Se comer diariamente um tubérculo, este terá efeito profilático (preventivo) contra o câncer. A massa, crua ou cozida, quando aplicada sobre tumores debela gota e reumatismo.

BATATA-INGLESA - Combate as inflamações, abscessos, picadas de insetos, reumatismo local e queimaduras, usada crua e ralada, disposta sobre o local. O suco cura úlceras estomacais.

BAÚNA - Antiespasmódico, calmante das tosses e coqueluche.

BEGÔNIA - Coração de estudante Begonia salicifolia Faz-se um chá, de toda a planta, que é bom para as afecções das vias urinárias (cistite, uretrite, etc.). O que usar: planta. Posologia e modo de usar: contate-nos

BELDROEGA - Portulaca Portulaca oleracea Boa para combater as afecções do fígado, bexiga e rins, e inflamações dos olhos. Diurética, e aumenta a secreção de leite. Usam-se: sementes e folhas com talos. Sementes: vermífugo. Externamente: sobre queimaduras e feridas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BERGAMOTA - Mexerica Seu chá é digestivo e calmante. O suco das sementes, esmagadas em água, abaixa a pressão.

BERINGELA - O chá de suas folhas aumenta a urina, eliminando os cálculos da bexiga.

BETIS - Nas flatulências, bebi-beri, reumatismo e dormência das pernas. Excitante e aromático. Externamente, em banhos, combate a polinevrite. Usa-se: raíz. Posologia e modo de usar: contate-nos

BICUÍBA - Na asma, perda de memória e doenças do estômago.

BOERÁVIA HIRSUTA - Nas moléstias dos rins e fígado. Nas congestões hepáticas, nefrites e pielites. Combate a icterícia.

BOLDIQUIA - Bowdiquia Nas moléstias de pele, como feridas, úlceras dartros, eczemas, furúnculos; nos reumatismos crônico, agudo, simples ou de fundo sifilítico. Usa-se: tintura. Posologia e modo de usar: contate-nos

BOLDO - Boldôa Estimulante das secreções, facilitando a secreção biliar e evitando cólicas e a prisão de ventre. Protetor do fígado - regulador da função hepática. O que usar: tintura e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BOLDO DO CHILE - Peumus boldus Indicado contra as afecções e cálculos do fígado, prisão de ventre, gases intestinais, digestão difícil e febres. O que usar: tintura e folhas. Chá: tranqüilizante, insônia. Posologia e modo de usar: contate-nos BOLDO JURUBEBA - Hepatoprotetor, nas afecções do fígado. BOLSA DE PASTOR - Capsella bursa pastoris Indicada para eczemas, coceiras, erupções e feridas. Corrige regras abundantes e hemorragias. Em gargarejos, cura inflamações da garganta. O que usar: folhas e raiz. Posologia e modo de usar: contate-nos

BORRAGEM - Borrago officinalis Para as inflamações dos rins e da bexiga. No combate ao reumatismo e debilidades do coração. Contra os resfriados e sarampo. O que usar: sementes e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BUCHA - Bucha dos paulistas - Esfregão Luffa aegyptiaca Suas sementes são vermífugas. O caule e as folhas são indicadas em prisão de ventre, perturbações do fígado, suspensão de regras e anemia. O que usar: sementes, caules e folhas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BUCHINHA DO NORTE - Seu chá é purgativo e expectorante, também usado contra sinusite (aspirando o vapor da planta em cozimento).

BURANHÉM - Guaranhém - Monésia - Casca-doce - Miica - Pau-de-remo Pradosia lactescens- Lucuma glyciphloca - Chysophyllum buranhem Antidiabético. As cascas contêm substâncias tônicas. Nas doenças intestinais. Combate às diarréias. Usam-se: cascas. Posologia e modo de usar: contate-nos

BUXO - Contra asma, sífilis e reumatismo, e os vermes do sangue.